Covid-19 faz disparar vendas de alimentos, saúde e limpeza na América Latina

Com o crescimento diário dos casos da doença causada pelo novo coronavírus (Covid-19), o consumidor da América Latina correu para comprar itens de limpeza, saúde e alimentos, informou esta semana a Nielsen, empresa global referência de inteligência de mercado.

Foram compilados dados semanais em todas lojas físicas das grandes cadeias varejistas latinoamericanas e os classificou de duas maneiras: primeiro por cestas de alimentos, saúde e limpeza e depois elencou quais as categorias mais buscadas – dados atualizados até a primeira semana de março.

Cestas
Em saúde, o Brasil, que lidera o número de casos na região, registrou alta de 972% nas vendas de 2 e 8 de março, na comparação com a mesma semana do ano passado*. No Chile, o crescimento foi de 145%, seguido por 128% no Peru, 83% na Argentina e 58% no México.

A reposição em alimentos teve os maiores percentuais no Peru, com crescimento de 357%, na frente de Argentina (+319%), Brasil (+121%), México (+57%) e Chile (+33%).

Já os argentinos foram os que mais compraram na cesta de limpeza, cujas vendas se expandiram em 76%. No Brasil, a alta foi de 51%, na frente de Peru (+49%), Chile (+26%) e México (+21%).

Categorias
Os brasileiros seguem de maneira ostensiva atrás de álcool em gel. As vendas desses produtos cresceram 2857% até 8 de março, na comparação com o mesmo período do ano passado*. Outros produtos que se destacaram foram utensílios de limpeza (+75%) e cortes de carne congelado (+67%).

No Chile, houve crescimento de 377% nas vendas de álcool em gel, 51% em comidas em conserva e 16% em suprimentos de limpeza.

No Peru, as maiores procuras foram por álcool em gel (+287%), comidas congeladas (+568%) e limpeza (+35%). Na Argentina, os destaques ficaram para álcool em gel (+203%), sobremesa congelada (+822%) e limpeza (+71%). As vendas de carne congelada na Colômbia aumentaram 358%, enquanto no México o destaque nesta categoria foi de hot cakes e waffles congelados (+31%).

O consumidor adaptado
Nas seis etapas chaves para o comportamento do consumidor, criada pela Nielsen com base em dados globais, o latino-americano está, em média, ainda na primeira etapa, segundo o gráfico abaixo, quando é adotado um padrão de compra proativa de produtos para saúde. No Brasil, a situação se enquadra na etapa dois, apesar de algumas capitais já estarem no 4º estágio, como São Paulo e Rio de Janeiro.

PUBLICIDADE
[wp_bannerize_pro id="valenoticias"]
Don`t copy text!