Cai 13% o número de reclamações no setor de telecomunicações

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp


A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) registrou em julho queda de 13% no número de reclamações de usuários de serviços de telecomunicações. No mês passado, foram feitas 244,6 mil reclamações, 36,5 mil a menos do que em julho de 2017.

Apesar da redução na comparação com o mesmo período do ano passado, entre junho e julho deste ano, houve aumento de 21,7 mil registros, um acréscimo de 9,7%.

A maioria das reclamações foi de usuários de usuários de serviços de telefonia fixa e móvel, banda larga e TV paga, totalizando 243,3 mil queixas. As principais reclamações foram sobre cobrança indevida e qualidade de serviços.

Todos os serviços apresentaram redução nas queixas nos últimos 12 meses. A maior redução, em números absolutos, foi na telefonia móvel, que apresentou queda de 13,8%, com menos 18,4 mil reclamações. A TV por assinatura vem em seguida com menos 8,8 mil, uma redução de 21,4%. A telefonia fixa aparece em terceiro lugar, com 5,4 mil reclamações a menos, uma redução de 8,9%; e a banda larga fixa, com menos 3,2 mil reclamações e queda de 7,4%.

Segundo a Anatel, com exceção do Acre, onde não houve variação na comparação com julho de 2017, nos demais estados, foram registradas menos queixas. Em números absolutos, as maiores quedas ocorreram em São Paulo, menos 11,5 mil reclamações e redução de 13,2%; no Rio de Janeiro, menos 9,6 mil e queda de 21,2%; em Minas Gerais, menos 3,4 mil e redução de 9%; na Bahia, menos 2,5 mil e queda de 13,5%; e Pernambuco, menos 1,71 mil e redução de 19,7%.

A telefonia móvel pós-paga foi alvo de 82,3 mil queixas por causa de cobrança (47,7%), ofertas, bônus e promoções (10,1%) e qualidade e funcionamento (9,7%) dos serviços. Na modalidade pré-paga, foram 32,8 mil reclamações sobre créditos pré-pagos (38,5%); de ofertas, bônus e promoções (19,6%); e qualidade e funcionamento (13,9%), informou a Anatel.

Já a telefonia fixa teve 55,2 mil reclamações, referentes a cobrança (41,7%), qualidade e funcionamento (16,9%) e cancelamento (10,4%). O serviço de banda larga fixa foi alvo de 40,6 mil reclamações divididas em qualidade e funcionamento (41,1%); cobrança (26,5%); e instalação (8,0%).

Quanto à TV por assinatura, foram feitas no período 32,3 mil queixas. Os principais motivos foram cobrança (49,7%); ofertas, bônus e promoções (9,4%) e cancelamento (9,0%). Com Agência Brasil

PUBLICIDADE