Concurso estadual do Queijo Minas Artesanal seleciona os melhores de 2020

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

Um time de especialistas, formado por 25 jurados, escolheu ontem (25), em Belo Horizonte, qual é o melhor Queijo Minas Artesanal do estado. A eleição fez parte do concurso estadual, promovido pela Emater-MG, para celebrar os 300 anos de Minas Gerais. O anúncio dos vencedores e a premiação serão no dia 9 de dezembro, na sede da empresa, na capital mineira.

Participaram 185 queijos, produzidos nas sete regiões caracterizadas e reconhecidas como produtoras de Queijo Minas Artesanal: Araxá, Campo das Vertentes, Canastra, Cerrado, Serra do Salitre, Serro e Triângulo Mineiro. Todos os queijos inscritos são legalizados, com inspeção municipal ou estadual. Este ano, por causa da pandemia, o julgamento do Concurso Estadual do Queijo Minas Artesanal não foi aberto ao público.

Os queijos foram avaliados em sabor, textura, aroma, apresentação, cor e consistência. O júri técnico foi formado por estudiosos da produção queijeira e por profissionais com ampla experiência na área. Na primeira etapa, eles analisaram todos os queijos participantes e escolherem os 20 melhores.

Num segundo momento, os queijos classificados foram novamente avaliados para a eleição dos cinco primeiros colocados, entre eles, o campeão estadual. A avaliação foi feita sem que os jurados soubessem quem era o produtor de cada queijo e qual a região de procedência.

“Cada ano o concurso vem se superando. Os produtores rurais estão ficando cada dia melhores naquilo que estão fazendo. Verificamos um alto padrão de qualidade”, afirmou o técnico em laticínios e um dos jurados do concurso, Kênio José Palha Montes.

A maturadora de queijos e também integrante do júri, Elisângela Martins, destacou a importância do concurso num ano em que muitos produtores tiveram a comercialização prejudicada por causa da pandemia. “Este concurso veio para animar os produtores e comerciantes. Teve bastante queijo inscrito. Acredito que muitos produtores resolveram participar porque este ano não tiveram outras oportunidades de divulgação”, disse.

Este ano, além do júri técnico, também foi eleito o melhor queijo por uma comissão formada por jornalistas. Eles avaliaram os 20 queijos finalistas selecionados pelos jurados técnicos. O produtor do queijo eleito pelo júri dos jornalistas também será anunciado e premiado na solenidade do dia 9/12.

“O concurso tem o objetivo de estimular a produção de qualidade do Queijo Minas Artesanal, buscando sua valorização, promovendo um elo de ligação entre os produtores e mercado consumidor, além de incentivar a legalização das queijarias, oferecendo ao consumidor um produto sanitariamente seguro”, afirma a coordenadora estadual da Emater-MG, Maria Edinice Rodrigues.

Homenagens
O julgamento terminou com uma homenagem às pessoas que têm contribuído para o fortalecimento e desenvolvimento da cadeia produtiva do Queijo Minas Artesanal. Iniciativas que ajudaram nos avanços da legislação vigente, boas práticas agropecuárias, de fabricação e de gestão da atividade.

O presidente da Emater-MG, Gustavo Laterza, destacou a importância do queijo nas áreas social e econômica de Minas Gerais. “Produzimos mais de 9 bilhões de litros de leite por ano, temos em torno de 900 laticínios e cerca de 30 mil produtores, a maioria de agricultores familiares, trabalhando com queijos artesanais. Isso mostra a importância do setor na geração de emprego, oportunidades e renda no campo e na cidade”.

Para a secretária de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Ana Valentini, um grande desafio do setor é aumentar o número de queijarias regularizadas. “Tem que criar esta cultura de necessidade da regularização, que traz segurança para quem produz, para quem comercializa e, sobretudo, para quem consume”.

Queijo Minas Artesanal
O Queijo Minas Artesanal mantém as características de produção artesanal, predominantemente a partir de mão de obra familiar, com produção em baixa escala através de leite cru (não é permitido leite pasteurizado), produzido na propriedade (proibido aquisição de leite), utilização de coalho, pingo e salga seca. Ele é apreciado graças ao conhecimento passado entre gerações e às suas características peculiares. O modo artesanal da fabricação foi registrado como patrimônio cultural imaterial brasileiro pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

O Concurso Estadual do Queijo Minas Artesanal é promovido todo ano pela Emater-MG, vinculada à Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), com o objetivo de estimular a produção de queijos de qualidade, promover a divulgação entre consumidores e incentivar a legalização de queijarias. Com informações da Assessoria de Comunicação da Emater-MG

PUBLICIDADE
Don`t copy text!