Casal diversifica propriedade com a produção e venda de plantas no Triângulo Mineiro

Na Fazenda Estância P7.2, o que não falta é trabalho. Na propriedade, o casal Leila e Gilson Barbosa dedica todo o seu tempo na produção e comercialização de linguiça. O produto é vendido em escolas, no comércio local e de cidades vizinhas. Apesar da intensa rotina, dona Leia arrumou um tempinho para mais uma atividade: o cultivo de Rosa-do-Deserto. E o que começou como um passatempo já começa a se tornar mais uma fonte de renda.

A propriedade do casal fica em Santa Vitória, no Triângulo Mineiro. A agroindústria de linguiça está em fase final de obtenção do registro do Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA). “Com o registro, poderemos ampliar e comercializar em todo o estado. Nós contamos com uma grande ajuda da Emater-MG em todo o processo para adaptação e documentação da nossa agroindústria”, diz Leila Barbosa.

A empresa também orientou a família no financiamento de recursos do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). O dinheiro foi utilizado na adequação da fábrica. Atualmente, a agroindústria de linguiça Kidelícia comercializa seus produtos por meio do Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae) para escolas e creches.

Rosa-do-Deserto
Mesmo com a correria do dia a dia, dona Leila encontrou tempo para o cultivo e venda de Rosa-do-Deserto. Foi depois de uma viagem para exames médicos em Barretos, no estado de São Paulo, que ela adquiriu três plantas. Aos poucos, vendo vídeos na internet, ela aprendeu mais sobre a Rosa-do-Deserto, que é nativa da região Norte da África. As plantas são de uma beleza ímpar, com cores que variam entre tons do branco ao rosa e ao carmim.

Não demorou e Leila passou a produzir sementes e mudas no seu jardim e divulgar fotos pelo WhatsApp. O retornou foi quase que imediato. “As pessoas começaram a elogiar as plantas. Falaram para eu vender e, aí, eu comecei a fazer isso”, conta dona Leila.

Ela comercializa sementes e mudas. As mudas são vendidas a partir de R$ 30, 00. Aos poucos, o que começou como lazer, está se transformando em uma fonte de renda para a família. “Mais para frente, eu espero, sim, ampliar a venda de mudas e sementes”, diz a produtora.

Para a técnica da Emater-MG, Priscila Ferreira, a iniciativa do casal Leila e Gilson é um exemplo de empreendedorismo rural. “Dentro de uma propriedade existem várias alternativas que podem e devem ser aproveitadas. O produtor não deve ficar preso em uma única atividade. Dentro de uma pequena área é possível atividades paralelas à pecuária e agricultura”. Com informações da Emater-MG.

PUBLICIDADE
[wp_bannerize_pro id="valenoticias"]
Don`t copy text!