Municípios de MG continuam comprando alimentos da agricultura familiar

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

Com a pandemia do coronavírus, alguns municípios mineiros avaliaram a possibilidade de suspender a compra de alimentos da agricultura familiar por meio do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA). Os alimentos são comprados de agricultores familiares com recursos do Ministério da Cidadania e doados a entidades socioassistenciais, bancos de alimentos e pessoas em situação de vulnerabilidade social.

Para evitar que os produtores fossem prejudicados, a Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais (Seapa), Emater-MG e prefeituras decidiram continuar as compras por meio do programa, adotando medidas para garantir a segurança dos produtores e servidores municipais durante as entregas.

“Só foi possível a continuidade da execução do programa nos municípios, uma vez que os mesmos se comprometeram a adotar as medidas de prevenção ao coronavírus”, diz o coordenador técnico estadual da Emater-MG, Raul Machado. Entre os cuidados adotados estão o distanciamento mínimo entre as pessoas no momento da distribuição dos alimentos; programação de horários distintos para a entrega dos alimentos por parte dos produtores; disponibilidade de luvas, máscaras, álcool gel, água e sabão para as pessoas envolvidas no trabalho.

A execução do PAA – Termo de Adesão Estadual – em Minas Gerais é da Seapa, em parceria com a Emater-MG. Cinquenta e um municípios mineiros participam do programa e 1.282 agricultores familiares fornecem alimentos. “São várias as entidades cadastradas. Aquelas que continuam suas
atividades, permanecem recebendo os alimentos conforme a programação. Para as entidades que tiveram de parar suas atividades durante o período de isolamento social, coube ao CRAS (Centro de Referência de Assistência Social/Ministério da Cidadania) direcionar os alimentos para outras famílias de sua lista de assistidos”, explica Raul Machado.

PAA no Vale do Mucuri
Na unidade regional da Emater-MG de Teófilo Otoni, no Vale do Mucuri, são nove municípios participando do PAA: Catuji, Itambacuri, Maxacalis, Ladainha, Novo Cruzeiro, Itaipé, Ouro Verde de Minas, Novo Oriente de Minas e Teófilo Otoni. “A Emater acompanha a execução do programa, presta assistência técnica e apoia a inserção dos agricultores no mercado institucional”, diz o gerente regional da empresa, Sandro Rodrigues da Silva. De acordo com ele, os municípios disponibilizam toda infraestrutura, recursos humanos e transporte para o funcionamento do PAA.

Em 2019, nestes nove municípios, foram beneficiados 85 agricultores. O valor investido na compra dos alimentos foi de R$ 1,4 milhão. Até agora, em 2020, o total de agricultores comercializando pelo PAA nestes municípios subiu para 169. Já a doação de alimentos tem beneficiado mais de 700 famílias e oito instituições.

De acordo com o produtor João Ferreira, do município de Itaipé, a continuidade das vendas pelo PAA é fundamental para a manutenção da renda familiar. “A gente perdeu a feira e não tá tendo onde vender os produtos. A gente já tava sem saber o que fazer. O programa vai ajudar muito”, afirma o produtor.

A agricultora Maria de Fátima, do município de Catuji, ressaltou a importância do PAA para a comercialização de seus produtos em meio à pandemia de coronavírus. “Esse programa faz parte da nossa vida e nos ajuda muito nesse momento difícil. Além de ajudar as pessoas carentes com a distribuição de alimentos”, disse.

Outras regiões
Outros seis municípios atendidos pela unidade regional da Emater-MG em Capelinha, no Vale do Jequitinhonha, também optaram em manter o programa em 2020. Com isso, são 92 agricultores beneficiados e 550 famílias contempladas com as doações de alimentos. Já na unidade regional da Emater-MG de Almenara, na região Norte de Minas, nove municípios participam do PAA. Em 2019, 216 agricultores foram beneficiados. Em 2020, são 222 agricultores comercializando pelo PAA e 610 famílias em situação de vulnerabilidade social recebendo doações do programa.

Para o Superintendente de Abastecimento e Cooperativismo da Seapa, Gilson de Assis Sales, o PAA é um programa importante para criar canais de comercialização direta com os produtos da agricultura familiar. “Agora, nesse período de crise, torna-se ainda mais significativo, pois garante renda para produtores e alimentos de qualidade para entidades de assistência social e pessoas em vulnerabilidade alimentar. Acreditamos que esse tipo de mercado deve ser cada vez mais incentivado, por ser uma forma de promover o desenvolvimento regional e aquecimento da economia local”, afirma. Com informações da assessoria de comunicação da Emater-MG.

PUBLICIDADE
Don`t copy text!