Chinês se aventura em uma viagem pelo mundo e conhece 72 países

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

Depois de percorrer mais de 250 mil quilômetros e visitar 72 países em quatro continentes, o chinês Fan Yuhu, de 45 anos, está no Brasil, em mais uma etapa de uma jornada iniciada em agosto de 2013 em Shanghai, China. O esforço é para obter o registro exclusivo no Guinness World Records pela realização da mais longa viagem global solo por via terrestre.

“Espero terminar a viagem em 2020 e retornar à minha pátria China com o recorde mundial pela longa jornada solo global, após sete anos de estrada”, disse à Agência Brasil Yuhu.

Espécie de Marco Polo às avessas – o famoso viajante veneziano que empreendeu uma longa viagem da Europa à China na Idade Média – Fan Yuhu saiu da China para percorrer o mundo ema aventura solitária, viajando em um furgão Ford e vivendo situações incomuns e adversidades.

O chinês disse que começou a viagem com US$ 600 no bolso e a partir daí cruzou a Ásia, Europa, África e de lá embarcou o carro num contêiner para a América. Yuhu se considera afortunado, porque ao longo do caminho vários chineses o apoiaram com dinheiro, comida e alojamento. “Sou muito agradecido a todos”, afirmou.

Em conversa com a Agência Brasil, Yuhu afirmou que está perto de conseguir o registro do recorde mundial no Guinness, o que deve acontecer no próximo ano, quando planeja “viajar pela Oceania, percorrendo Austrália, Indonésia, Cingapura, Malásia, Laos, Tailândia e outros países”.

Dificuldades

O feito do viajante chinês impressiona ainda mais pelo fato de ele não ter jamais viajado ao exterior e falar apenas chinês, idioma praticamente desconhecido por outros povos. Para compensar, ele faz uso da tecnologia, e fez uma pergunta ao repórter em sua língua usando um aplicativo de celular que imediatamente converteu a frase para o português.

Contudo, para a realização da entrevista, a Agência Brasil contou com o auxílio do jovem jornalista Zhou Xingzhu, repórter da agência de notícias estatal chinesa Xinhua, em Brasília, que atuou como intérprete. Com Agência Brasil

Don`t copy text!