Investimento estrangeiro no setor produtivo do Brasil cai em janeiro

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

O investimento estrangeiro no setor produtivo do país caiu 30% em janeiro, na comparação com igual período de 2018. No mês passado, o investimento direto no país (IDP) chegou a US$ 5,866 bilhões. Em igual mês de 2018, esses investimentos somaram US$ 8,363 bilhões. Os dados foram divulgados pelo Banco Central (BC).

Em janeiro, esses investimentos não foram suficientes para cobrir o resultado negativo das contas externas. Quando o país registra saldo negativo em transações correntes, precisa cobrir o déficit com investimentos ou empréstimos no exterior. A melhor forma de financiamento do saldo negativo é o IDP, porque recursos são aplicados no setor produtivo.

O déficit em transações correntes (compras e vendas de mercadorias e serviços e transferências de renda do país com outras nações) chegou a US$ 6,548 bilhões, o de janeiro de 2018: US$ 6,293 bilhões.

Para o chefe do Departamento de Estatísticas do BC, Fernando Rocha, o resultado do mês passado, com IDP inferior aos déficit das transações correntes, é “pontual”. Segundo ele, pode ter havido uma antecipação de fluxos de IDP no segundo semestre de 2018, quando houve aceleração desses investimentos. Além disso, Rocha destacou que os dados preliminares deste mês indicam aumento da entrada desses recursos. Em fevereiro, até o dia 21, o IDP chegou a US$ 5,7 bilhões, com estimativa de US$ 7 bilhões para o mês. A previsão do BC para o déficit em conta corrente neste mês é de US$ 2,2 bilhões.

Investimentos em ações e títulos

O investimento estrangeiro em ações e fundos de investimento chegou a US$ 3,664 bilhões e nos títulos de renda fixa, a US$ 3,060 bilhões, totalizando os dois US$ 6,724 bilhões, em janeiro. Segundo Rocha, no primeiro mês do ano, houve retorno dos investimentos desse tipo que haviam saído em dezembro, no total de US$ 4,547 bilhões. Os dados preliminares de fevereiro, até o dia 21, mostram saída de US$ 1,331 bilhão em ações e fundos de investimentos e entrada de US$ 7,174 bilhões, em títulos de renda fixa.

Aumento das importações

Segundo Rocha, o resultado das contas externas é influenciado pela redução do superávit comercial, com maior crescimento das importações do que das exportações. “Há maior demanda interna por bens importados que é consistente com a retomada da economia”, disse Rocha. Em janeiro, o superávit comercial ficou em US$ 1,633 bilhão, ante US$ 2,4 bilhões em igual mês de 2018.

Outra explicação é a redução na demanda por serviços, principalmente os gastos em viagens internacionais. Rocha lembrou que isso acontece por influência do dólar mais caro neste ano. Em janeiro de 2019, a taxa média de câmbio ficou em R$ 3,74, enquanto no mesmo mês de 2018 era R$ 3,22. Em janeiro deste ano, os gastos de brasileiros no exterior ficaram em US$ 1,689 bilhão, enquanto no mesmo período de 2018 estavam em US$ 2,002 bilhões. A conta de viagens, considerados os gastos de brasileiros no exterior e as receitas de estrangeiros no Brasil fechou o mês negativa em US$ 986 milhões.

No setor de serviços, também houve bastante influência do segmento de aluguel de equipamentos, com saldo negativo (despesas maiores que as receitas) de US$ 864 milhões, em janeiro, contra o déficit de US$ 1,239 bilhão, no mesmo período de 2018. Isso é explicado pelo novo Repetro (regime especial que suspende os tributos cobrados sobre bens destinados a atividades de exploração de petróleo e gás natural). No novo programa, as empresas não são mais beneficiadas com a exportação de plataformas de petróleo. Segundo Rocha, com o Repetro anterior, era comum as empresas no Brasil alugarem os bens exportados. “Com o novo Repetro e o fim da exigência de exportações, várias empresas estão importando para adicionar no seu estoque de capital doméstico”, explicou Rocha. Com Agência Brasil

Don`t copy text!