Zélia Duncan celebra 40 anos de carreira

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

Conhecida nacionalmente pelo sucesso “Catedral”, Zélia Duncan completa neste 2021 40 anos de carreira, nos quais lançou 14 álbuns e cinco DVDs solo, ganhou vários prêmios, discos de ouro e de platina, participou de trabalhos junto a grandes nomes da música brasileira. Durante a trajetória, sete anos foram ao lado da Warner Music Brasil.

Quando assinou contrato com a companhia de música, em 1994, a cantora mudou o nome artístico de Zélia Cristina para Zélia Duncan e o álbum homônimo foi lançado no mesmo ano. Nesse projeto, canções muito marcantes da carreira da artista ganharam a atenção do público, entre elas: “Lá Vou Eu (Rita Lee)”, “Nos Lençóis Desse Reggae”, “Não Vá Ainda” e “Sentidos”.

O sucesso de “Catedral” não foi intencional. Zélia nem ao menos a incluiu no primeiro disco promocional – conhecido por incluir sempre a “música de trabalho” – que contava com quatro canções. Seis meses após o lançamento, “Catedral” entrou para a trilha sonora da novela “A Próxima Vítima” (Rede Globo), como tema dos personagens Irene e Diego, protagonistas da trama, tornando-se um grande sucesso, o primeiro da carreira da artista.

A canção é uma regravação traduzida do original da cantora Tanita Tikaram, intitulado “Cathedral Song”, do álbum “Ancient Heart”. O reconhecimento pela crítica também não tardou a aparecer. A revista americana “Billboard” incluiu Zélia Duncan na lista dos dez melhores álbuns latinos de 1994 e já no segundo semestre de 1995, Zélia recebeu “Disco de Ouro”, pela venda das primeiras 100 mil cópias.

Já com o estouro de “Catedral” nas rádios em 1995, fez uma série de shows e temporadas levando a música para todo o país, interpretando todas as canções do álbum. Participou da primeira grande festa de aniversário da Rádio JB Fm no antigo Metropolitan (Rio de Janeiro) onde Maria Bethânia apresentava o espetáculo com novas cantoras da época; além de Zélia estavam presentes Cássia Eller e Adriana Calcanhotto. Na época do encerramento da turnê de divulgação do álbum “Zélia Duncan”, em agosto, no Parque do Ibirapuera (São Paulo), o disco já havia atingido a marca de 160 mil cópias vendidas.

Em 1998 foi o ano em que Zélia começou a trabalhar no single sucessor, com “Intimidade” também realizado em parceria com a Warner Music Brasil. O álbum traz onze faixas, sendo oito delas parcerias com Christiaan Oyens: “Verbos Sujeitos”, “Haja”, “Sexo”, “Imorais”, “Toda Vez”, “O Lado Bom”, “Às Vezes Nunca” e “Por Hoje É Só”, além de uma parceria com Lucina: “Depois do Perigo”. “Código de acesso” de Itamar Assumpção abre o disco e “Quase sem Querer” (Negrete – Dado Villa-Lobos – Renato Russo) é cantada por Zélia em versão acústica. O disco foi lançado em outubro e Zélia seguiu em turnê de divulgação com ele do fim de 1998 até 2000.

PUBLICIDADE
[wp_bannerize_pro id="valenoticias"]
Don`t copy text!