Vendas on-line impulsionam e mais da metade das PMEs querem faturar mais na Black Friday

Um levantamento realizado pela empresa de inteligência analítica Boa Vista mostra otimismo entre os pequenos e médios empresários com as vendas durante a Black Friday em 2021. Mais da metade – 54% – dos entrevistados acreditam em um aumento no faturamento para o período, enquanto apenas 39% declararam o mesmo em 2020.

Embora as PMEs estejam mais confiantes, elas têm enfrentado desafios como estoques baixos e falta de capital de giro. 62% dos entrevistados afirmaram que trabalharão com estoques ainda disponíveis, sem reposição, e outros 76% afirmaram à Boa Vista que não farão contratações para o período e permanecerão com a força de trabalho atual. Essas dificuldades se dão pela falta de capital de giro. Conceder desconto será a estratégia de um em cada quatro empresários, enquanto um em cada cinco pretende criar promoções e estimular venda nas redes sociais.

Além das boas expetativas para período, o levantamento detectou um aumento significativo na quantidade de empresas que passaram a fazer negócios on-line nos últimos dois anos. Cerca de 64% das PMEs estão apostando em fazer negócios on-line, enquanto em 2019, menos da metade, 46%, faziam vendas digitais. “Esse aumento do uso do e-commerce foi impulsionado pela pandemia, quando as empresas passaram a investir na digitalização dos seus negócios para se adaptar às restrições sanitárias”, explica Flávio Calife, economista da Boa Vista.

Em contraste com a aposta nos meios digitais, mais da metade – 60% – destas companhias não possuem site próprio e utilizam outros artifícios para gerar vendas. As alternativas passam por contar com o ambiente digital de fornecedores e parceiros, realizar campanhas por e-mail e buscar apoio em marketplaces. As redes sociais passaram a ser a plataforma de vendas preferidas de 69% das PMEs.

6 em cada 10 empresas estão aptas à concessão de crédito
Importante para retomada econômica, a concessão de crédito para o consumidor conta com uma oferta razoável neste mercado, no qual cerca de 60% das empresas disseram estar aptas a isso. No entanto, há algumas barreiras para alavancar os negócios como a necessidade de ampliar a atuação no mercado, apontada por 21% dos entrevistados, e a redução da inadimplência para gerar fluxo de caixa, listada por 16%.

Em contrapartida, 40% das empresas aptas a conceder crédito declaram que precisam de apoio para esse tipo de operação, ou seja, ferramentas para a analisar e conceder a melhor oferta. Para 23% das PMEs, a conquista de novos clientes poderia dar mais fôlego ao negócio. Já 20% consideram que a obtenção de crédito para o negócio seria a melhor alternativa para alavancar as vendas.

“A pesquisa mostra que maioria das empresas entrevistadas diz precisar de apoio em algum momento do seu ciclo de crédito. Hoje há no mercado soluções que contêm inteligência analítica, muitas delas acessíveis para os seus respectivos negócios, que podem apoiá-las da prospecção à concessão, do gerenciamento de carteira à recuperação de crédito”, explica o economista da Boa Vista.

PUBLICIDADE
[wp_bannerize_pro id="valenoticias"]
Don`t copy text!