Projeto COVID Esgotos estima 60 mil infectados em Belo Horizonte

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

Projeto-piloto Monitoramento COVID Esgotos estima 60 mil infectados em Belo Horizonte, menor patamar já registrado desde o início da pesquisa em abril. Pior estimativa foi de 850 mil pessoas em julho

O novo coronavírus continua abaixo do nível de detecção na amostra coletada em um dos nove pontos de pesquisa na bacia do ribeirão do Arrudas, na Região Metropolitana de Belo Horizonte e Contagem (MG), pela segunda semana consecutiva. A informação consta do Boletim de Acompanhamento nº 16/2020 do projeto-piloto Monitoramento COVID Esgotos, divulgado nesta sexta-feira, 25 de setembro.

O projeto Monitoramento COVID Esgotos é uma iniciativa conjunta da Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA) e do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Estações Sustentáveis de Tratamento de Esgoto (INCT ETEs Sustentáveis/UFMG), em parceria com a Companhia de Saneamento de Minas Gerais (COPASA), o Instituto Mineiro de Gestão das Águas (IGAM) e a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG).

Na bacia do Ribeirão do Onça, novamente todas as amostras resultaram positivas, o que acontece pela 16ª semana seguida. Além da não detecção do vírus em uma das áreas de coleta na bacia do Arrudas, a pesquisa aponta “uma tendência geral de declínio nos percentuais de população infectada estimada nas sub-bacias de esgotamento na semana epidemiológica 38” (14 a 18 de setembro).

Em Belo Horizonte, a população total infectada estimada nas duas bacias monitoradas foi de cerca de 60 mil pessoas na mais recente semana de pesquisa, menor patamar já registrado desde o início da pesquisa, em abril. O patamar de pessoas infectadas pelo COVID-19 chegou a ser estimado em 850 mil pessoas, em julho.

“As estimativas de população infectada a partir do monitoramento do esgoto, conjuntamente com as curvas de casos confirmados e notificados nas últimas quatro semanas confirmam redução acentuada das cargas virais na população local”, afirmam os pesquisadores. Com informações da Assessoria de Comunicação Social da Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico.

PUBLICIDADE
Don`t copy text!