Correios lançam selo em homenagem ao centenário da escritora Clarice Lispector

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

Os Correios lançaram virtualmente, ontem (24), selo em homenagem ao centenário da escritora Clarice Lispector, nos canais oficiais dos Correios nas redes sociais. O selo também será lançado em Recife/PE, até o fim do mês, em parceria com a Fundação Joaquim Nabuco.

Também em comemoração à data, será lançado o livro “Todas as Cartas”, pela editora Rocco, com textos inéditos de Clarice, resultado de uma longa pesquisa da jornalista Larissa Vaz, sob orientação de biógrafos e da família, com notas de Teresa Montero, biógrafa especialista na escritora.

“Particularmente para minha mãe, Clarice Lispector, que morou quase 20 anos no exterior, a correspondência com amigos, família e editores foi fundamental na sua formação profissional e sua afetividade. Assim, a criação de um selo no ano do seu centenário é uma homenagem justa e muito representativa”, afirma Paulo Valente, filho da escritora.

A arte do selo é da neta de Lispector, Mariana Valente, que construiu toda a ilustração com retalhos de cartas, páginas de livro antigos e envelopes que encontrou da própria Clarice como forma de homenageá-la e também sua paixão por correspondências. “Somos de diferentes épocas, mas compartilhamos desse íntimo prazer pelo analógico. Eu coleciono selos, postais e cartas antigas, que utilizo em minhas colagens há muitos anos, e ter tido a oportunidade de desenvolver algo que gosto tanto com total liberdade foi maravilhoso”, explica a artista.

A emissão tem tiragem de 900 mil selos, com valor de R$ 2,05 a unidade, e estará disponível nas principais agências de todo o país e também na loja virtual dos Correios.

Sem fronteiras – Nascida na Ucrânia, Clarisse Lispector veio com a família – pai, mãe e duas irmãs – para o Brasil com pouco mais de um ano de idade. Viveu em Pernambuco até os 14, quando foi para o Rio de Janeiro, onde anos mais tarde se formou em Direito, pela Universidade do Brasil, e conheceu o diplomata Maury Gurgel Valente, com quem se casou.

Sua estreia como escritora foi com “Perto do Coração Selvagem” (1943), porta de entrada o mundo da literatura. Segundo a biógrafa Teresa Montero, Clarice escreveu dezessete livros entre romances, contos, crônicas e histórias infantis que já alcançaram cerca de quarenta países e lhe alçaram ao patamar de uma das maiores escritoras do século XX.

A escritora assinou textos em veículos de imprensa como Agência Nacional, jornal A Noite, Jornal do Brasil, Última Hora e Correio do Povo. Também escreveu em páginas femininas sob pseudônimo em Comício, Correio da Manhã e Diário da Noite. Alcançou, ainda, grande popularidade como entrevistadora na Manchete e Fatos & Fotos.

Acompanhando o marido, Clarisse esteve na Itália, Suíça, Inglaterra e Estados Unidos, sempre se correspondendo com entes queridos. Finalmente, em julho de 1959, aos trinta e nove anos de idade, ela se fixou no Leme – até seu falecimento em 9 de dezembro de 1977.

Seu estilo inconfundível produziu obras que se tornaram clássicos como A Maçã no Escuro, Laços de Família, A Paixão Segundo G.H, Água Viva e A Hora da Estrela.

PUBLICIDADE
Don`t copy text!