ONU pede que autoridades tenham mais atenção com indígenas

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

Marcelo Camargo/Agência Brasil

Representantes da Organização das Nações Unidas (ONU) advertiram as autoridades mundiais para que acelerem o processo de inclusão de ações concretas relativas aos direitos dos povos indígenas na Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. A estimativa é de que um terço dos 370 milhões de indígenas viva em situação de extrema pobreza no planeta.

O alerta foi feito pela alta comissária adjunta da ONU, Kate Gilmore, e a relatora especial da entidade, Victoria Tauli Corpuz. Ambas se disseram preocupadas com o “aumento drástico” dos ataques contra os povos indígenas e com os esforços para criminalizá-los.

Kate Gilmore afirmou que a situação é mais grave em 70 países. “[Os indígenas são] o exemplo vivo das pessoas mais desfavorecidas, mais marginalizadas e deixadas para trás”, afirmou.

Para a alta comissária, é fundamentar assegurar a preservação das liberdades básicas para os indígenas, pois há evidências de tentativas de “silenciar, punir – e até criminalizar” os defensores dos direitos humanos destes povos. Não houve menção específica a um ou outro país.

Interesses
Relatora e especialista em direitos indígenas da ONU, Victoria Tauli Corpuz afirmou que os ataques, na maioria das vezes, ocorrem com o intuito de explorar os recursos naturais nos locais onde vivem esses povos. Segundo ela, em várias regiões aumentou a militarização.

“Essas violações estão ocorrendo no contexto de competição intensificada e exploração de recursos naturais, como observado durante as visitas aos países e refletido no crescente número de alegações relacionadas”, disse a especialista.

Agenda 2030
A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável da ONU é um plano de ação que busca fortalecer a paz universal com mais liberdade por meio da erradicação da pobreza. Todos os países devem atuar de forma colaborativa. São ações nas três dimensões do desenvolvimento sustentável: a econômica, a social e a ambiental.

No total, são 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e 169 metas que devem ser executados na agenda. As ações incluem medidas relacionadas aos direitos humanos, a alcançar a igualdade de gênero e ao empoderamento das mulheres e meninas. Com Agência Brasil

PUBLICIDADE