Novo presidente assume o Banco Central da Argentina

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

Banco Central da Argentina/Divulgação

O presidente do Banco Central da Argentina, Luis Caputo, renunciou ao cargo nesta terça-feira (25), em meio à quarta greve geral contra o governo de Mauricio Macri e a uma renegociação do acordo fechado, em junho, com o Fundo Monetário Internacional (FMI). A renúncia, por motivos pessoais, foi apresentada no dia em que Macri discursa perante a Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova York.
O sucessor de Caputo será o atual secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Guido Sandleris.

Caputo é o segundo presidente do Banco Central a renunciar desde que a Argentina recorreu ao FMI para ajudar a frear a disparada do dólar, em maio. O primeiro, Federico Sturzenneger, deixou o cargo dias após anunciar um acordo “histórico” – o primeiro, em 13 anos, que colocou à disposição do país US$ 50 bilhões. Sturzenneger foi substituído por Caputo, que na época era ministro das Finanças. Caputo assumiu o cargo em 14 de junho, com o dólar valendo 27 pesos.

Em agosto, houve nova corrida cambial, e a moeda norte-americana passou de 40 pesos, até se estabilizar em torno de 37 pesos.

Para conter a segunda disparada do dólar, o governo argentino pediu que o FMI renegociasse o acordo fechado dois meses antes. Pelo acordo atual, o país receberia um adiantamento de US$ 15 bilhões, para estabilizar o mercado cambial. As demais parcelas seriam liberadas a cada três meses, sempre e quando o país cumprisse as metas estabelecidas – entre as quais, a redução do déficit fiscal (para 2,7% este ano e 1,3% em 2019).

Agora a proposta é antecipar os desembolsos, para recuperar a confiança dos mercados. Em troca, Macri prometeu zerar o déficit fiscal no ano que vem – o que representa realizar cortes nos gastos públicos em ano eleitoral.

Ontem (24), véspera de seu discurso nas Nações Unidas, Macri deu entrevistas a formadores de opinião publica assegurando que dará continuidade às políticas econômicas favoráveis aos mercados: o governo não vai controlar o câmbio, nem gastar mais do que arrecada, apesar de o próprio Macri ser candidato à reeleição em 2019. Macri disse também que não há o menor risco de calote na dívida, como fez na crise de 2001. No dia seguinte, o presidente do Banco Central renunciou.

Em Buenos Aires, as ruas amanheceram vazias e os bancos, fechados. A greve geral, contra o ajuste e o FMI, foi convocada pelas principais centrais sindicais, que reclamam aumentos salariais para enfrentar a inflação, que, segundo as estimativas, pode chegar a 42%. Com Agência Brasil

PUBLICIDADE
error: Conteúdo Protegido!