Visando na vaga olímpica, Bia Ferreira treina forte com ajuda do pai

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

Uma das maiores esperanças brasileiras de medalha nos Jogos de Tóquio (Japão) está no boxe. É a baiana Beatriz Ferreia, radicada em Minas Gerais. Antes de o novo coronavírus (covid-19) impactar o mundo, a pugilista Bia Ferreira, com é mais conhecida, vinha numa excelente fase. Ao longo do segundo semestre do ano passado, ela colecionou conquistas importantes: faturou a medalha de ouro no Pan de Lima (Peru), foi prata nos Jogos Mundiais Mitares. em Wuhan (China), ouro no Mundial de Boxe da Rússia, e foi eleita a melhor atleta do ano de 2019 pelo Comitê Olímpico Brasileiro (COB).

Após a paralisação por conta da pandemia de covid-19, a atleta baiana, de 27 anos, precisou mudar os planos para manter o ritmo. Retornou para a casa da família, em Juiz de Fora (MG). “Tínhamos voltado de um período de treinamentos na Colômbia. E a intensidade estava bem alta. Era fase de ajuste final para o Pré-Olímpico [inicialmente para o dia 26 de março, em Buenos Aires]. Depois que entendi melhor o que era essa pandemia, ficou bem claro que o melhor foi mesmo voltar para casa. Dá para ficar um pouco mais tranquila, com os familiares e mais protegida”, revelou a pugilista em entrevista à Agência Brasil.

Desde 2016 morando em São Paulo (SP), Bia Ferreira vinha treinando no Centro de Treinamento da capital, junto com a seleção nacional de boxe. Após o fechamento do espaço por conta da pandemia, a casa da família em Juiz de Fora (MG) tornou-se o espaço ideal para a pugilista se manter em atividade.

“Sempre tive bastante material de boxe. Corda, luva, manopla. E uma empresa de material esportivo me ajudou enviando sacos de pancada. A parte mais difícil é a musculação, às vezes pegamos um bujão de gás vazio, vamos adaptando. Mas na parte técnica o grande negócio é ter um treinador para puxar o ritmo”, detalha a boxeadora da categoria até 60 quilos.

E quem vem desempenhando a função é o responsável por despertar em Bia a paixão pelo boxe. O pai, Raimundo Ferreira, também conhecido como Sergipe. “Não dá para deixar cair. Ela vinha muito bem. O foco continua. Ela vai voltar à seleção, no mínimo, a 90%. Não pode ser menos que isso. Eu cobro. Sou nojento. Sou chato. Não tem para onde correr. Mas hoje ela é muito consciente. Nosso foco é vencer. A medalha olímpica é o sonho dela e de toda a família”, afirma o treinador coruja.

Reprodução/Instagram/Beatriz Ferreira

“Meu pai é a minha grande inspiração. Depois que eu fui para a seleção, a gente tem poucas chances de trabalhar junto. Mas é bem bom. São gerações diferentes, uma passando experiência para a outra. Temos uma conexão diferenciada. Mas não tem essa de aliviar não. Quando tem que bater, a gente bate. Mas é claro que tudo dentro do respeito e da segurança do esporte, bem profissional”, complementa a atleta.

O boxe foi uma das modalidades mais impactadas pela pandemia da covid-19. O Pré-Olímpico Europeu, por exemplo, teve que ser cancelado durante a realização em Londres. Já o classificatório americano, programado para 26 de março, foi adiado para 2021, mas a data permanece indefinida. Com isso, a brasileira ainda não sabe os passos que terá de trilhar para chegar à medalha em Tóquio.

“É uma regra nova. A Associação Internacional de Boxe Amador (Aiba) e o Comitê Olímpico Internacional (COI) se desvincularam. Por isso, a Olimpíada, organizada pelo COI, não reconhece os resultados do Mundial. Mas já lutei contra quase todas as adversárias. Venho de uma preparação intensa. Tenho muita confiança que vou carimbar logo o passaporte para Tóquio e trazer uma medalha para toda a torcida brasileira”, conclui, cheia de entusiasmo. Com Agência Brasil

PUBLICIDADE
Don`t copy text!