Lançado projeto inédito com DNA ambiental para estudar espécies marinhas

A Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco), está lançando um projeto que vai utilizar DNA ambiental, conhecido como eDNA, para entender a riqueza da biodiversidade de locais marinhos classificados como Patrimônio Mundial.

A agência considera a iniciativa ambiciosa, envolvendo cientistas e residentes locais, que vão coletar dejetos, secreções e células de peixes de vários locais.

Impactos da mudança climática
A Unesco explica que o método eDNA envolve a coleta e a análise de amostras do solo, da água e do ar e não de um organismo individual. O projeto deve durar dois anos, com a meta de medir a vulnerabilidade da biodiversidade marítima à mudança climática.

Outro objetivo é verificar como os impactos da mudança climática afetam os padrões migratórios da vida marinha. O projeto é lançado junto com a Década das Nações Unidas da Ciência Oceânica para o Desenvolvimento Sustentável, que vai de 2021 até 2030.

Fernando de Noronha
A Unesco reconhece vários locais marítimos como Patrimônio Mundial devido à “sua biodiversidade única, ecossistemas excepcionais ou por representarem grandes fases da história do planeta Terra”.

O arquipélago de Fernando de Noronha, no Brasil, a barreira de corais de Belize e as Ilhas Galápagos são alguns exemplos entre os 50 locais marinhos listados como Patrimônio da Humanidade.

A agência da ONU explica que o uso do DNA ambiental para monitorar e coletar dados no oceano ainda está na fase inicial.

Segundo a Unesco, uma metodologia consistente será aplicada pela primeira vez de forma simultânea em vários locais marinhos protegidos, marcando assim o “nascimento de padrões globais em amostragem e gerenciamento de dados”. As amostras de DNA serão depois sequenciadas em laboratórios especializados. Com ONU News

PUBLICIDADE
[wp_bannerize_pro id="valenoticias"]
Don`t copy text!