Imprensa francesa destaca “terremoto político” que varreu partidos tradicionais

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp


A imprensa francesa se referiu hoje (24) ao segundo turno nas eleições presidenciais com o liberal Emmanuel Macron (23,86%) e a candidata de extrema-direita Marine Le Pen (21,43%) como um “terremoto” político que varreu com os partidos tradicionais. Os candidatos dos partidos tradicionais, o conservador François Fillon e o socialista Benoit Hamon deixam o bipartidarismo em estado de decrepitude, dizem os jornais do país, segundo a Agência Télam.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook     Siga o Portal GRNEWS no twitter

O jornal Le Monde destacou: “Macron-Le Pen: as duas Franças. Pela primeira vez na V República [em referência à quinta e atual constituição republicana da França, em vigor desde 4 de Outubro de 1958], os dois grandes partidos são eliminados no primeiro turno”.

“Big bang ou salto no escuro”, destaca o diário financeiro Les Echos, que sustenta que a eleição é uma expressão de rompimento do sistema, que seria reinventado a partir de agora. “Os eleitores votaram no domingo (23) para virar a página da vida política francesa que se estruturou desde o começo da V República”, afirma o jornal.

O diário liberal L´Opinion destaca que “esta é uma nova página na história da V República que os eleitores abriram no domingo (23) com a eliminação de todos os representantes presidenciais dos partidos políticos que, de uma maneira ou de outra, haviam governado nas últimas décadas”.

“Este resultado é um terremoto, cujas réplicas serão sustentadas no tempo”, declarou o jornal católico La Croix.

“Os franceses despacharam a esquerda e a direita lado a lado, para provar algo novo”, declara L´Alsace.

“O nocaute da direita”, lamenta o diário conservador Le Figaro, que destaca que depois de cinco anos, o desejo de uma alternativa nunca tinha sido “tão potente” a ponto de deixar a direita fora do segundo turno pela primeiroa vez na história.

O Le Parisien, que coloca Macron como favorito, afirma que ele está a caminho do poder. “Macron não ganhou, mas conseguiu seu objetivo: pulverizar a velha política”, opina o Ouest-France.

“No segundo turno, portanto, se oporão o liberalismo social e o nacionalismo, a abertura ou o fechamento, a Europa unida ou só a França”, diz o Libération, acrescentando que “a princípio, graças aos republicanos de todos os partidos,a eleição do primeiro [Macron] é favorita em detrimento da madrasta feia”. O jornal de esquerda, no entanto, introduz matizes. “A Frente Nacional [de Macron] alcança a pontuação mais alta da sua história em eleições presidenciais. Mas se a luta for entre o povo e a elite, quem pode apontar com certeza o resultado?”, sustenta, pedindo aos cidadãos “vigilância”.

O comunista L´Humanité destacou a palavra “nunca” em letras garrafais, com a imagem de Marine Le Pen e uma convocação: “façamos o possível para bloquear seu caminho”. Com Agência Brasil/Agência Télam

PUBLICIDADE
[wp_bannerize_pro id="valenoticias"]
Don`t copy text!