OMS diz que casos e mortes por Covid-19 caíram em todo o mundo

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

A Organização Mundial da Saúde (OMS) informou que a pandemia de coronavírus teve a sexta semana consecutiva com redução de novas notificações.

A análise epidemiológica da semana passada registrou 2,4 milhões de novos casos de Covid-19 no mundo. Uma queda de 11% em relação ao período anterior.

Novos casos
As Américas lideraram a baixa em notificações, com quase 19%. A seguir estão Pacífico Ocidental com 9%, Europa com 8% e África com 2,4%. Já no Mediterrâneo Oriental e o no Sudeste Asiático, houve uma alta de 6% e 2% respectivamente.

No Pacífico Ocidental houve uma diminuição de casos, mas a alta foi de cerca de 6% em óbitos pela Covid-19.

A agência da ONU ressalta que a semana fechou com 110,9 milhões de novas contaminações e 2,4 milhões de mortes. Na frente estão os Estados Unidos da América com 480.467. Já o Brasil somou 316.221 das novas infecções, marcando a redução de 1%. Depois estão França com 131.179, Rússia com 92.843 e Índia com 86.711 novos casos.

Vacinas
Num momento em que vários países vacinam grupos de risco e profissionais de saúde, o ritmo de produção, distribuição e aplicação de imunizantes ainda é considerado lento.

O Comitê Internacional de Bioética da Unesco e a Comissão Mundial sobre a Ética do Conhecimento Científico e Tecnologia pediram uma mudança de direção nas atuais estratégias de imunização.

Os especialistas querem que as vacinas da Covid-19 sejam consideradas um bem público global. A meta é garantir imunização para todos de forma equitativa.

Representantes dos dois órgãos de ética com um histórico em orientações sobre temas relacionados se reuniram esta quarta-feira com o diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus, e o professor Jeffrey Sachs da Universidade de Colúmbia.

Responsabilidade
A declaração enfatiza que, em primeiro lugar, as indústrias farmacêuticas têm a responsabilidade de compartilhar a propriedade intelectual com o apoio dos governos. A ideia é permitir que fabricantes em todos os países forneçam acesso às vacinas.

Em segundo lugar, os especialistas destacam que o benefício da imunização para o maior número de pessoas não seja considerado o único critério ético. A proposta é que a igualdade, a equidade, a proteção contra vulnerabilidade, a reciprocidade e o melhor interesse das crianças sejam levados em conta.

Outra recomendação é que as estratégias de vacinação se baseiem num modelo não obrigatório, não punitivo. Os fundamentos devem ser informação, educação e diálogo com pessoas que possam hesitar ou ser hostis à vacinação. Com ONU News

PUBLICIDADE
[wp_bannerize_pro id="valenoticias"]
Don`t copy text!