Mais de 1,8 mil crianças e adolescentes foram resgatados por auditores do trabalho em 2018

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

Equipes de auditoria fiscal do trabalho resgataram em 2018 mais de 1,8 mil crianças e adolescentes em situação de trabalho infantil. Foram cerca de 7,7 mil operações no decorrer do ano.

Os tipos de trabalho infantil mais comuns encontrados nas ações de fiscalização são atividades em lava-jatos, oficinas mecânicas e borracharias. Auditores encontraram menores em funções consideradas prejudiciais à moralidade – como a venda a varejo de bebidas alcoólicas.

Do balanço de 2018 veio a constatação que muitas crianças e adolescentes são expostos ao trabalho com o uso de instrumentos ou ferramentas perfurocortantes, sem proteção adequada capaz de controlar o risco. Atividades com levantamento, transporte, carga ou descarga manual de pesos acima dos limites legalmente estabelecidos também foram detectados.

Perfil
Das crianças e dos adolescentes resgatados no ano passado, 79% eram do gênero masculino e 21%, do feminino. Cerca de 54% tinham entre 10 a 15 anos; 42% tinham entre 16 e 17 anos; e 4% tinham 9 anos de idade ou menos.

No recorte estadual, as unidades da federação com maior número de crianças e adolescentes nessa condição foram Pernambuco, Bahia, Ceará, Rio de Janeiro, Mato Grosso do Sul, São Paulo e Minas Gerais. Com informações do Ministério da Economia

PUBLICIDADE
[wp_bannerize_pro id="valenoticias"]
Don`t copy text!