Mais de 635 milhões de estudantes afetados por escolas fechadas devido à Covid-19

Mais de 635 milhões de estudantes continuam sendo afetados pelo encerramento total ou parcial das escolas no mundo todo, alerta o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

Nesta segunda-feira (24), Dia Internacional da Educação, a agência da ONU divulgou os dados mais recentes sobre o impacto que a pandemia de Covid-19 está tendo no aprendizado das crianças.

Apoio para saúde mental
O chefe de Educação do Unicef, Robert Jenkins, declarou que em março, a pandemia completará dois anos e segundo ele, o nível de perdas para a escolaridade das crianças chega a ser “insuperável”.

O representante da agência da ONU vai além, defendendo que apenas reabrir escolas não é suficiente: é preciso apoiar os estudantes de forma intensiva, para que os alunos reconstruam sua saúde física e mental, seu desenvolvimento social e nutrição.

No mundo todo, milhões de crianças perderam uma parte significativa de aprendizado por terem ficado fora das salas de aula. Os mais novos e mais vulneráveis foram os mais prejudicados, segundo o Unicef.

Em países de rendas baixa e média, até 70% dos alunos de 10 anos de idade têm dificuldades para ler ou entender um texto simples, sendo que antes da pandemia, o índice era de 53%.

Exemplo do Brasil
Na Etiópia, por exemplo, os alunos do ensino primário aprenderam apenas 40% do que deveriam ter aprendido sobre matemática em um ano letivo normal. O Unicef destaca também que nos Estados Unidos, foram observados déficits de aprendizado em vários estados, como Califórnia, Colorado, Texas, Carolina do Norte, Virgínia e Ohio.

A agência menciona ainda o Brasil, onde em vários estados, 3 entre 4 crianças da segunda série do ensino fundamental estão atrasadas com a leitura. Também em alguns estados brasileiros, 10% dos estudantes entre 10 e 15 anos de idade afirmaram que não planejam retornar à escola quando as salas de aula reabrirem.

Na África do Sul, as crianças em idade escolar estão entre 75% e até um ano completo atrasadas na aprendizagem. Além disso, entre 400 mil e 500 mil alunos abandonaram as escolas entre março de 2020 e julho de 2021.

Depressão
O Unicef destaca haver evidências que mostram que a Covid-19 gerou altos índices de ansiedade e de depressão entre crianças e jovens. Alguns estudos mostram que meninas, adolescentes e moradores de áreas rurais são os mais afetados.

Durante os períodos em que as escolas ficam encerradas devido à pandemia, mais de 370 milhões de crianças em todo o mundo ficaram sem receber refeições, sendo que para muitas, a alimentação escolar é a única fonte segura de nutrição diária. Com ONU News

PUBLICIDADE
[wp_bannerize_pro id="valenoticias"]
Don`t copy text!