ONU pede combate a atos de violência por causa de religião

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

As Nações Unidas marcaram ontem (22), o Dia Internacional em Homenagem às Vítimas dos Atos de Violência Baseados em Religião ou Crença.

Segundo a ONU, o mundo continua vivenciando atos contínuos de intolerância e violência a indivíduos incluindo integrantes de comunidades e minorias religiosas.

Ação
No ano passado, o secretário-geral, António Guterres, lançou a Estratégia e Plano de Ação das Nações Unidas contra Discurso de Ódio e um Plano de Ação para salvaguardar locais religiosos.

Para a ONU, o debate aberto, construtivo e respeitoso pode desempenhar um papel positivo no combate ao ódio religioso, incitamento e violência.

Direitos
As liberdades de religião ou crença, de opinião e de expressão além do direito à reunião pacífica e à liberdade de associação, são descritas, respectivamente, nos artigos 18, 19 e 20 da Declaração Universal dos Direitos Humanos.

Segundo a ONU, a defesa destes direitos tem um papel importante na luta contra todas as formas de intolerância e discriminação.

Para a organização, o exercício do direito à liberdade de opinião e expressão é fundamental para o fortalecimento da democracia e do combate à intolerância religiosa.

Data
O exercício do direito à liberdade de opinião e expressão é fundamental para o fortalecimento da democracia e do combate à intolerância religiosa

A data é celebrada pela segunda vez desde sua criação em 3 de junho de 2019, quando a Assembleia Geral proclamou o Dia Internacional numa resolução.

António Guterres lembrou que “todas as principais religiões do mundo defendem a tolerância e a coexistência pacífica em um espírito de humanidade compartilhada.”

Segundo ele, as pessoas devem “resistir e rejeitar aqueles que, de maneira falsa e maliciosa, invocam a religião para construir equívocos, alimentar a divisão e espalhar o medo e o ódio.”

O secretário-geral afirmou ainda que “há riqueza e força na diversidade” e que esta diferença “nunca é uma ameaça.” Com ONU News

PUBLICIDADE
Don`t copy text!