Cais do Valongo no Rio está alagado; drenagem segue até o fim de semana

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

O Cais do Valongo, que integra a lista do Patrimônio Mundial da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), está alagado. A Secretaria Municipal de Infraestrutura, Habitação e Conservação diz que o trabalho de drenagem da água deverá seguir até o fim desta semana.

Esta não é a primeira vez que o local, que fica na zona portuária do Rio de Janeiro, é alagado. Em nota, a Secretaria informa que, com o auxílio da Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto (Cdurp), o trabalho será realizado até que toda a água tenha sido drenada para a galeria de águas pluviais.

“Feito isso, a Cdurp poderá inspecionar as bombas e verificar se há necessidade de substituição ou de manutenção. A drenagem da água deve durar até o fim desta semana”, diz o órgão.

Acidente
Ontem (22), no local, um funcionário da prefeitura, Reginaldo Souza, de 55 anos, levou um choque elétrico quando estava verificando a situação de uma bomba. Ele chegou a ficar desacordado debaixo d’água até ser resgatado por duas pessoas.

A Secretaria Municipal de Infraestrutura, Habitação e Conservação diz que o funcionário acidentado está recebendo “todo o suporte necessário; no momento, tem quadro estável e vai passar por exames para avaliação médica no Hospital Municipal Souza Aguiar”.

Cais do Valongo
O Cais do Valongo, de acordo com o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), era o principal porto de entrada de africanos escravizados no Brasil e nas Américas. O Cais foi revelado em 2011 durante as obras do Porto Maravilha. Foi construído em 1811 pela Intendência Geral de Polícia da Corte do Rio de Janeiro.

Em 2012, a prefeitura do Rio de Janeiro acatou a sugestão das Organizações dos Movimentos Negros e, em julho do mesmo ano, transformou o espaço em monumento preservado e aberto à visitação pública. O Cais do Valongo passou a integrar o Circuito Histórico e Arqueológico da Celebração da Herança Africana, que estabelece marcos da cultura afro-brasileira na região portuária, ao lado do Jardim Suspenso do Valongo, Largo do Depósito, Pedra do Sal, Centro Cultural José Bonifácio e Cemitério dos Pretos Novos.

O Brasil recebeu perto de 4 milhões de escravos, durante os mais de três séculos de duração do regime escravagista. Pelo Cais do Valongo, passaram cerca de 1 milhão de africanos escravizados em cerca de 40 anos.

Em 2017, o local passou a integrar Lista do Patrimônio Mundial da Unesco. Para a organização, o Cais do Valongo é um sítio arqueológico sensível, porque abriga memórias que remetem a aspectos de dor e sobrevivência na história dos antepassados dos afrodescendentes, que hoje totalizam mais da metade da população brasileira e marcam as sociedades de outros países do continente americano. Com Agência Brasil

PUBLICIDADE
Don`t copy text!