ALMG cobra compromisso com salário dos servidores mineiros

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

Parte dos servidores do Executivo ainda não recebeu integralmente os vencimentos pagos em abril, mas a situação pode se tornar ainda mais grave em maio, em função da perda de arrecadação do Estado diante da pandemia do novo coronavírus.

O alerta foi feito pelo secretário de Estado de Fazenda, Gustavo Barbosa. Ele participou, ontem (22), de Reunião Especial no Plenário da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), onde falou sobre a atuação da pasta no enfrentamento à crise gerada pela Covid-19.

Durante a reunião, o perigo de o Estado não conseguir pagar os salários a partir de maio foi um dos pontos mais comentados pelos parlamentares, que também solicitaram mais empenho do governador Romeu Zema em cobrar o apoio financeiro do governo federal, em pagar as emendas parlamentares para a saúde, incentivar a produção de máscaras e outros equipamentos médicos, e apoiar os micro e pequenos empresários.

De acordo com o secretário, Minas Gerais recebeu, neste mês, recursos que não estavam previstos, entre os quais R$ 781 milhões de um precatório julgado na Justiça do Paraná. Dívidas do Estado também foram postergadas, como R$ 50 milhões do Pasep e R$ 75 milhões de precatórios.

“Isso ajudou a mitigar a situação. Em maio não teremos esses créditos, e o problema será ainda mais grave”, previu. Pelos cálculos do governo, a queda na arrecadação deverá totalizar R$ 1,15 bi em abril, contra R$ 2,2 bi previstos para maio, mês que deverá fechar em deficit de R$ 1,5 bi.

Mesmo com a entrada de recursos não previstos, os salários pagos em abril foram integralmente quitados somente para servidores da segurança e da saúde. Os demais, segundo Gustavo Barbosa, receberam R$ 2 mil e devem ter a situação normalizada até o final da próxima semana.

O Estado, que já tinha previsão de deficit de R$ 13,3 bi no Orçamento, pode fechar 2020 com perda superior a R$ 20 bilhões. O secretário lembrou que o ICMS responde por quase 80% da arrecadação de Minas e já está com queda oscilando entre 30% e 36%. Com ALMG

PUBLICIDADE
Don`t copy text!