PF investiga crimes contra o sistema previdenciário no Piauí e Maranhão

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

A Polícia Federal deflagrou nesta segunda-feira (21) a Operação Urbsluzia, com objetivo de reprimir crimes contra o sistema previdenciário nacional ocorridos nos estados do Piauí e Maranhão.

Aproximadamente 40 policiais federais executam 8 mandados de busca e outras medidas restritivas de direitos expedidas pelo Juízo da 1ª Vara Federal em São Luís/MA. O monitoramento eletrônico, por meio de de tornozeleira rastreável, será instalado em sete dos investigados.

As diligências ocorrem simultaneamente nos municípios de Luzilândia/PI, Mata Roma/MA e Tutóia/MA. Neste último, as buscas acontecem na sede da APS, onde se processavam os benefícios.

A investigação realizada no âmbito da Força-Tarefa previdenciária, composta pela PF, MPF e NUINT-PI/CGINT-ME demonstra atuação de grupo responsável pela concessão de diversos benefícios de pensão por morte e auxílios-maternidade, infligindo prejuízo aos cofres públicos no valor de R$ 1,8 milhões já pagos indevidamente. Se calculados os pagamentos indevidos que serão evitados com a suspensão dos benefícios fraudulentos, essa cifra sobe para R$ 4,2 milhões.

O crime somente era possível graças à participação de um servidor do INSS que atua na concessão de benefícios. A fraude consiste em inserção de dados fictícios em processos montados a partir de falsos beneficiários, cooptados por familiares do técnico do seguro social. O grupo conta com apoio de policial para dar segurança no momento dos saques dos valores retroativos, em sua maioria grandes somas em espécie retiradas na rede bancária.

O nome da Operação, Urbsluzia, faz alusão ao município onde eram cooptados os pretensos beneficiários, em nome dos quais eram implementados os benefícios fraudulentos. Com informações da Assessoria de Comunicação Social da Polícia Federal no Piauí

Portal GRNEWS © Todos os direitos reservados.

PUBLICIDADE
Don`t copy text!