Agência de energia atômica treina profissionais e reforça combate à COVID-19

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

A Agência Internacional de Energia Atômica (Aiea), está treinando milhares de profissionais de saúde em todo o mundo para combater a pandemia de covid-19.

A diretora da Seção de Medicina Nuclear e de Imagens de Diagnóstico, Diana Paez, afirmou que a situação é bastante mutável e que o objetivo da agência é apoiar os agentes na troca de experiências e conhecimentos sobre a nova cepa do coronavírus

Seminários
Ao todo, 4 mil pessoas já se conectaram com a agência nos seminários que são oferecidos em inglês, russo, espanhol e árabe.

A Aiea lembra que vários países estão em momentos diferentes no enfrentamento à pandemia.

Nas últimas semanas, foram enviadas centenas de kits de testagem da covid-19 a países que precisam do apoio.

Pressão
Segundo a Divisão de Saúde Humana, a pandemia colocou uma enorme pressão sobre profissionais e sistemas em todo o mundo. As áreas assistidas pela Aiea são oncologia, radiação e medicina nuclear.

As imagens de diagnóstico têm um papel especial como a tomografia computadorizada que ajuda a identificar os danos causados pela covid-19 aos pulmões.

A Aiea ressalta que os hospitais precisam proteger pacientes e o pessoal de saúde durante os exames e testes do novo coronavírus. Isso deve ocorrer além dos serviços a pacientes de câncer, de doenças coronárias e outras enfermidades.

Esterilização
A agência da ONU está realizando os seminários em parceria com a Sociedade Europeia de Radiologia e a a Sociedade Internacional de Radiologia. Um dos pontos estudados é a esterilização dos equipamentos hospitalares e como controlar a infecção.

Vários participantes afirmaram que as informações do seminário foram úteis para ajudar a combater a pandemia em suas respectivas áreas.

Além da covid-19, a Aiea tem atuado ainda no combate ao ebola. A doença que estava para ser declarada superada na República Democrática do Congo voltou a preocupar após o surgimento de alguns casos no início deste mês. Com ONU News

PUBLICIDADE
Don`t copy text!