Ataque mata pelo menos 10 soldados da ONU no Mali

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

Homens armados mataram ao menos dez soldados das Nações Unidas e feriram cerca de 25 durante ataque a uma base em Aguelhok da Missão da ONU no Mali (Minusma) ontem (20). Os “capacetes azuis” mortos faziam parte do contingente do Chade.

Os feridos foram transferidos para os hospitais da missão. Vários agressores foram mortos. Nenhum grupo reivindicou a autoria do atentado. O ataque foi um dos mais violentos às forças da ONU no país.

Segundo a organização, os agressores chegaram de surpresa em vários veículos armados. O representante especial da Nações Unidas para o Mali e chefe da Minusma, Mahamat Saleh Anadif, prometeu “uma resposta robusta, imediata e regulada de todas as forças para aniquilar o terrorismo no Sahel”.

“Esse ataque complexo e covarde ilustra a determinação dos terroristas em criar o caos”, disse Anadif. “Essa barbárie não ficará impune”, acrescentou, ao lembrar que os autores cometeram um crime de guerra, de acordo com o direito internacional.

De todas as missões de paz da ONU no mundo, a Minusma é a que registra mais mortes desde a sua criação, em 2013. De acordo com balanço feito em abril do ano passado, cerca de 160 capacetes azuis tinham morrido no país, dos quais 102 em atos hostis. O ataque mais violento ocorreu em outubro de 2014, quando nove soldados do contingente nigeriano foram mortos.

Em 2015, o governo e grupos armados assinaram um acordo de paz para restabelecer a estabilidade no Mali. O pacto, porém, não conseguiu frear a violência de militantes islâmicos, que estenderam os ataques para o centro e sul do país e para os vizinhos Burkina Faso e Níger.

No início deste mês, a França e os Estados Unidos criticaram o governo do Mali por não conseguir conter o agravamento da violência. Paris ameaçou impor sanções ao país.

Além da Minusma, os diferentes grupos terroristas no Mali atacam com frequência as Forças Armadas do país.

Com cerca de 13 mil soldados, a Minusma foi enviada ao Mali em 2013 para barrar a expansão de rebeldes e jihadistas no norte do país e apoiar o governo enfraquecido. Em março de 2012, um golpe militar mergulhou a região no caos. O Mali é considerado um refúgio de grupos extremistas, alguns deles ligados à Al Qaeda.  Com Agência Brasil/Deutsche Welle

PUBLICIDADE
Don`t copy text!