Atemoia e nêspera: produção de frutas exóticas garante diversidade ao consumidor

O Estado de São Paulo conta com uma rica produção de frutas que agradam aos mais diversos paladares. As mais exóticas, como a atemoia e a nêspera, têm ganhado mais espaço nos últimos anos.

Da família das anonáceas, a atemoia só está disponível nos mercados interno e externo graças às tecnologias e a orientação técnica geradas por extensionistas e pesquisadores da Secretaria de Agricultura e Abastecimento.

Na década de 1950, a Pasta forneceu material e manutenção de bancos de germoplasmas e de matrizes aos viveiristas e gerou um pacote tecnológico para produção de mudas e manejo dessa fruta. Desde então, a atemoia passou a estar mais presente na mesa dos brasileiros, gerando renda e emprego no campo. Leia mais sobre este trabalho da Secretaria aqui.

Em São Paulo – que alterna o posto de maior produtor do país com MG – são mais de 400 produtores que a cultivam em uma área total com 150 mil pés em produção, com destaque para as regiões de Itapetininga, Sorocaba e Pindamonhangaba.

Ainda pouco conhecida, mas muito saborosa, a fruta nêspera tem origem chinesa e é rica em fibras, possui aproximadamente 75% de água, além de ser antioxidante, anti-inflamatória e adstringente.

Bem trabalhada, a plantação de nêspera dá rendimento ao pequeno produtor e é considerada excelente opção para o cultivo orgânico. Tem como vantagem a colheita entre março e setembro, período de entressafra de outras frutas, como pêssego, ameixa, caqui e goiaba.

São Paulo é o Estado que mais produz a fruta no País, com 87 mil pés em produção registrados na safra 2018/2019, sendo Bragança Paulista, Itapetininga e Mogi das Cruzes as principais regiões produtoras. Com informações da Assessoria de Comunicação da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo.

PUBLICIDADE
[wp_bannerize_pro id="valenoticias"]
Don`t copy text!