Pesquisa mostra que redução de peso pode evitar 15 mil casos de câncer

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

Divulgação

Uma pesquisa feita pelo Departamento de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), com a colaboração da Harvard University (Estados Unidos), em abril de 2018, concluiu que mais de 15 mil casos de câncer poderiam ser evitados com a redução de peso. Esse resultado significa que cerca de 4% da população brasileira sofre com os diferentes tipos de canceres.

Numa projeção futura, a situação é ainda mais alarmante, podendo agravar ao longo dos próximos sete anos. A pesquisa apontou que em 2025 a estimativa de pacientes cancerígenos atribuídos à obesidade e ao sobrepeso esbarrará num percentual de 5%, índice que atingirá em média 29 mil pessoas em todo o Brasil.

Especialistas concluem que toda essa situação decorre aos novos hábitos alimentares da população. “Vivemos uma fase de transição nutricional. Tornou-se uma epidemia no Brasil o consumo de alimentos calóricos com quantidade elevada de açúcar, sal e gordura. A partir disso, nos últimos 10 anos, houve um aumento nas prevalências da obesidade o que acabou causando um aumento no número de cânceres”, explica Dr. Henrique Eloy, especialista em cirurgia e endoscopia bariátrica e gastroenterologia.

Para o estudo, a pesquisa feita pela FMUSP e Harvard calculou a fração atribuível populacional (FAP) do câncer relacionado ao índice de massa corporal (IMC) elevado. A conclusão foi que entre os 400 mil diagnósticos anuais, cerca de 4% estavam ligados ao IMC elevado. A situação é mais preocupante entre as mulheres, nas quais 5,2% foram enquadradas – isso graças aos cânceres de ovário, útero e mama, exclusivos da população feminina.

Para os pacientes gerais (homens e mulheres) destacam-se outros 11 tipos da doença. Entre elas cólon, reto, vesícula biliar, rim, fígado, mieloma múltiplo, esôfago, pâncreas, próstata, estômago e tireoide. De acordo com o médico, essas regiões são alvo do acúmulo de gordura, consequência dos maus hábitos alimentares e também do maior consumo de produtos processados. “Isso sem contar o sedentarismo, o consumo de álcool, tabagismo e o fator genético – alguns indivíduos são mais propícios a engordar do que outros por questões hormonais”, esclarece Henrique Eloy.

Para reverter o quadro, Dr. Henrique Eloy aconselha mais atenção com a dieta e a prática de exercícios físicos. “Eu sei o quão a agenda do brasileiro do século XXI é apertada e corrida, mas é por conta desse aperto que precisamos redobrar a atenção à saúde. Inserir o esporte no cotidiano é uma obrigação universal, assim como manter uma boa alimentação e não deixar a consulta periódica com o seu médico de lado”, afirma.

Mais dados sobre a obesidade e o câncer
Segundo dados do IBGE, 40% da população brasileira tinha sobrepeso ou obesidade em 2002. Já em 2013, o total subiu para aproximadamente 60%. Considerando os mesmos fatores da pesquisa realizada pela FMUSP e Harvard, estimou-se que em 2012, cerca de 10 mil casos de câncer em mulheres e 5 mil casos em homens eram atribuíveis ao excesso de peso e obesidade aferidos dez anos antes.

Atualmente, de acordo com a pesquisa, o número de pessoas que poderiam reduzir o percentual de gordura para evitar o câncer é maior no Sul do país (3,4% de mulheres para 1,5% de homens) e Sudeste (3,3% de mulheres para 1,5% de homens).

Entre as mulheres, destaque para o Rio Grande do Sul (3,8%), Rio de Janeiro e São Paulo (ambos 3,4%). Já nos homens, temos altas nos estados do Mato Grosso do Sul e Sudeste São Paulo (ambos 1,7%).

PUBLICIDADE