Especialistas alertam que pequenos negócios devem ter precauções ao buscar crédito

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

Em tempos de crise econômica, causada pela pandemia do novo coronavírus, os donos das micro e pequenas empresas estão, cada vez mais, buscando meios para manter ou retomar seus negócios. Uma das alternativas é o acesso ao crédito e o Sebrae mantém uma coletânea com mais de 170 linhas que podem ser usadas por esses empreendedores para vencer as dificuldades e prosseguir com investimentos. Porém, é importante adotar alguns cuidados ao procurar um empréstimo, seja ele em instituições financeiras privadas ou oficiais.

O alerta é feito por especialistas do setor, que estão orientando os pequenos negócios, por meio de lives que acontecem nos próximos dias, durante a “Semana do Crédito”, realizada pelo Sebrae em formato on-line. “É preciso estar atento aos cuidados nesse momento, ter um plano de negócios”, afirma o analista do Sebrae Pedro Martins, que abriu a série de lives voltadas para o tema, ao lado do gerente nacional de Microfinanças da Caixa Econômica, Sidney Rodrigues.

Na oportunidade, o técnico do banco federal afirmou que hoje um dos principais meios para os pequenos negócios obterem recursos é o Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe). “É um programa que tem oito meses de carência e pode ser adquirido em mais de um banco, desde que o valor do empréstimo não ultrapasse 30% do faturamento de 2019”, explica o gerente. Sidney alertou, no entanto, que todo o processo depende do cadastro do empresário.

Pedro Martins complementou lembrando que além do plano de negócios, são necessários outros cuidados para saber se o crédito é o melhor caminho para o negócio nesse momento de pandemia. “É preciso avaliar os gastos que podem ser cortados como, por exemplo, o pacote de internet, o uso da energia”, afirma o analista. “O empresário deve procurar alternativas para incrementar a receita, inclusive avaliando os gastos pessoais, que não podem sair do caixa da empresa”, observa Martins.

Durante a live, o analista do Sebrae ressaltou que a instituição elabora uma coletânea com as possibilidades de crédito disponíveis no mercado para os pequenos negócios. “Adiantamos o lado do empreendedor, pois já relacionamos 177 linhas”, observou Pedro Martins. Uma das linhas de crédito é oferecida pela Caixa, conforme ressaltou Sidney Rodrigues. “A mais comum delas é viabilizada com o Sebrae por meio do Fampe (Fundo de Aval para as Micro e Pequenas Empresas), voltado para os Microempreendedores Individuais (MEI)”, diz o gerente. O fundo é administrado pelo Sebrae e é usado para facilitar o acesso dos empreendedores a financiamento de capital de giro.

O Sebrae oferece o aval por meio do Fampe, mas não atua como instituição financeira. Porém, dá toda a assistência ao empreendedor, desde a solicitação até a liquidação do crédito. Pedro Martins observou ainda que o fundo pode ser usado como capital de giro, mas também para a aquisição de maquinários para a empresa, exportação da produção, entre outras finalidades. Aos donos de pequenos negócios, o analista deixou um recado: “O empresário tem que se qualificar e o Sebrae possui centenas de cursos de capacitação que devem ser consultados antes de elaborar plano de negócio ou tomar decisões”. Com Agência Sebrae de Notícias

PUBLICIDADE
Don`t copy text!