Número de pessoas passando fome aumentou 500% desde 2016

Os níveis de fome ao redor do mundo atingiram uma nova alta, segundo o secretário-geral das Nações Unidas. António Guterres fez declarações na quarta-feira (18), durante uma reunião ministerial sobre segurança alimentar, em Nova Iorque.

Guterres afirmou que mais de meio milhão de pessoas no mundo vivem em condições de fome, um aumento superior a 500% desde 2016.

Problema com vários fatores
Segundo ele, desde o surgimento da Covid-19, o total de civis que sofrem de insegurança alimentar severa dobrou, chegando atualmente a 276 milhões de pessoas.

A insegurança alimentar será o foco de um debate no Conselho de Segurança esta quinta-feira. António Guterres explicou que o problema tem várias causas: conflitos, como a guerra na Ucrânia, pandemia, efeitos da mudança climática e desigualdades sociais.

São 1,7 bilhão de pessoas afetadas por eventos extremos do clima e desastres naturais na última década, contribuindo para o aumento da fome global.

Produção de trigo e óleo
Sobre a guerra na Ucrânia, o chefe da ONU disse que a situação ameaça colocar dezenas de milhares de pessoas à beira da insegurança alimentar, seguida da desnutrição e da fome em massa, “numa crise que pode durar vários anos”.

Guterres lembrou que Ucrânia e Rússia produzem quase um terço do trigo e da cevada mundial e são responsáveis por metade da produção global de óleo de girassol, além de produzirem fertilizantes.

Ele prevê que se os preços dos fertilizantes continuarem em alta, a crise atual de grãos e de óleo de cozinha poderá afetar muitos outros alimentos, incluindo o arroz, impactando bilhões de pessoas na Ásia e Américas.

O secretário-geral da ONU garantiu que acabar com a fome está ao nosso alcance, uma vez que existe “comida suficiente no mundo para todos, se houver ação em conjunto”.

Sugestões para evitar catástrofe
Ele forneceu alguns passos que precisam ser tomados com urgência por governos, instituições financeiras e outros “para prevenir uma catástrofe a longo prazo”.

A primeira sugestão de António Guterres é o aumento do fornecimento de alimentos e de fertilizantes, sem restrições a exportações, inclusive de produtos que saiam da Ucrânia.

Outras medidas são: melhorias dos sistemas de proteção social que combinem comida e assistência em dinheiro; ampliação da produção agrícola e financiamento total de operações humanitárias, para prevenir a fome e reduzir os casos de insegurança alimentar. Com ONU News

PUBLICIDADE
[wp_bannerize_pro id="valenoticias"]
Don`t copy text!