Estimado em três semanas o prazo para militares deixarem Vila Kennedy no Rio

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

Tânia Rêgo/Agência Brasil

Os militares que fazem patrulhamento diário na Vila Kennedy, na zona oeste do Rio, há dez dias, deverão deixar a comunidade no prazo de duas a três semanas. A informação foi divulgada hoje (20) pelo porta-voz do Comando Militar do Leste (CML), coronel Carlos Cinelli.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

Mesmo antes da realização dos patrulhamentos diários, os militares vinham fazendo, desde 23 de fevereiro, ações rotineiras de remoção de barricadas e de cerco à comunidade. “Vamos retirar os efetivos da Vila Kennedy para que a Polícia Militar possa efetivamente assumir o patrulhamento da comunidade”, disse o coronel.

Segundo Cinelli, a ocupação da Vila Kennedy está servindo para que o Gabinete da Intervenção Federal colha lições e para que o processo seja aprimorado ao longo da intervenção.

Vila Kennedy passou por estabilização inicial
Segundo ele, a ocupação da Vila Kennedy prevê três etapas. A primeira foi chamada de “estabilização inicial”. “Nós tivemos que remover obstáculos das vias, mandados de prisão foram cumpridos e a checagem de mandados de prisão em desfavor de alguns cidadãos também foi executada pela Polícia Civil. Foi um conjunto de atividades iniciais”, destacou.

A segunda etapa, disse Cinelli, envolveu patrulhamentos dinâmicos com efetivos menores de militares e em conjunto com a Polícia Militar. A última fase está ocorrendo com a saída dos militares e a entrega do patrulhamento aos PMs.

“O comandante-geral da Polícia Militar já esteve reunido com o [interventor] general Braga Netto e o general conversou para que o modelo aplicado ali [na Vila Kennedy] não retroceda no sentido de que a população volte a ser achacada e tiranizada com a intensidade que estava sendo”, afirmou.

Segundo Cinelli, o Gabinete da Intervenção trabalha atualmente no planejamento das próximas operações envolvendo as Forças Armadas. Com Agência Brasil

PUBLICIDADE