Situação é complexa por causa da Dengue na América Latina e no Caribe, alerta Opas

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

A Organização Pan-Americana da Saúde, Opas, fez um alerta sobre a complexa situação da dengue na América Latina e no Caribe, região que está enfrentando um novo período epidêmico da doença após dois anos de baixa incidência.

De acordo com a última atualização epidemiológica da agência, durante os primeiros sete meses de 2019, mais de 2 milhões de pessoas contraíram a doença e 723 delas morreram. O número de casos excede a quantidade registrada em 2017 e 2018, embora, até o momento, permaneça abaixo do que foi notificado entre 2015 e 2016.

Período Epidêmico
O diretor do Departamento de Doenças Transmissíveis e Determinantes Ambientais da Saúde da Opas, Marcos Espinal, apontou que “a região enfrenta um novo período epidêmico de dengue, com um aumento notável de casos.”

De acordo com a agência da ONU, o clima, a gestão ambiental e a capacidade de adaptação do mosquito são fatores que podem ter aumentado a complexidade da situação.

Casos
Outra característica da atual epidemia é que pessoas menores de 15 anos parecem estar entre as mais afetadas. Na Guatemala, elas representam 52% do total de casos de dengue grave, enquanto em Honduras, constituem 66% de todas as mortes confirmadas.

Segundo Espinal, a causa pode ser vinculada ao fato de que se trata de uma população que, por sua idade, tem estado menos exposta ao vírus e, portanto, carece de imunidade.

Dengue
A dengue é causada por um vírus que possui quatro sorotipos diferentes, mas que são estreitamente relacionados, o DENV-1, DENV-2, DENV-3 e DENV-4, todos circulantes nas Américas. Quando uma pessoa se recupera da infecção, adquire imunidade vitalícia contra esse sorotipo em particular.

No entanto, infecções subsequentes causadas por outros sorotipos aumentam o risco de desenvolver formas mais graves de dengue. O sorotipo 2 é um dos mais letais e que mais afeta crianças e adolescentes neste momento.

Países
Os dez países mais atingidos pela dengue, segundo a quantidade de novos casos por cada 100 mil habitantes, são Nicarágua, Brasil, Honduras, Belize, Colômbia, El Salvador, Paraguai, Guatemala, México e Venezuela.

Honduras e Nicarágua já declararam alertas epidemiológicos em nível nacional neste ano para agilizar as ações de resposta.

Criadouros
Dada a situação, a Opas já chamou toda a comunidade e todos os setores da sociedade a trabalharem intensamente na eliminação de criadouros de mosquitos, particularmente os que estão dentro e ao redor de cada casa.

O assessor regional da Opas sobre dengue, José Luis San Martin, explicou que “a dengue é um problema de saneamento doméstico e comunitário.” Ele destacou que a “maneira mais eficaz de combatê-la é eliminar os criadouros para evitar a reprodução do mosquito, pois sem mosquito não há transmissão da doença.”

San Martin pediu às comunidades que se livrem de todos os objetos em desuso que possam acumular água, como tambores, pneus velhos, latas, garrafas e vasos. Recipientes domésticos que possam armazenar água devem ser hermeticamente fechados.

Zika e Chikungunya
A Opas também pediu que os profissionais de saúde sejam treinados para diagnosticar e manejar adequadamente os pacientes com dengue e outras arboviroses, como zika e chikungunya.

San Martin lembrou que “o manejo adequado de pacientes é uma prioridade que pode salvar vidas.” O assessor regional pediu ainda que a população evite se automedicar e, em caso de suspeita da doença, que busque o serviço de saúde em tempo oportuno.

Sintomas
Os sintomas mais comuns são febre alta, de 40°C, dor de cabeça intensa, dor atrás dos globos oculares e dores articulares e musculares. Entre os sinais de alerta de dengue que requerem atenção médica urgente, estão dor abdominal intensa, vômitos persistentes, respiração acelerada, hemorragias das mucosas, fadiga, irritabilidade e presença de sangue no vômito.

Não há tratamento específico para a dengue ou dengue grave, mas o diagnóstico oportuno, o acesso à assistência médica e o manejo adequado do paciente podem reduzir as complicações e a progressão da doença. A morte por dengue é quase sempre evitável. Com ONU News

Don`t copy text!