Produtor familiar mineiro utiliza luz do sol para produzir energia e economizar na propriedade

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

Animado com os resultados da implantação de um biodigestor na propriedade de 18 hectares, em Guanhães, Vale do Rio Doce, o produtor Aílton Moreira Dias decidiu partir para o desafio de conquistar a autossuficiência energética. Como? Aproveitando-se da luz solar, um recurso natural abundante em todo o Brasil.

A análise técnica e de viabilidade econômica da ideia ficou por conta dos coordenadores regionais Júlio César Merlim Gomes e José da Paz Andrade Câmara. Os dois técnicos da Emater–MG, vinculada à Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), indicaram que a instalação de uma microusina para a geração de energia fotovoltaica seria o modelo mais adequado.

“A microusina fotovoltaica permite a utilização da fonte de energia renovável mais abundante, que é o sol, e está disponível e acessível a todos. A utilização dessa fonte renovável garante distribuição de riqueza e qualidade de vida tanto na zona rural quanto urbana”, explica Merlim.

A conta de energia elétrica usada na operação do tanque resfriador, da ordenhadeira e de outros equipamentos instalados na propriedade chegava a R$ 400 mensais. O investimento na microusina, com 16 painéis fotovoltaicos, foi de cerca de R$ 20 mil. Com capacidade para gerar mais de 6 mil quilowatts/hora por ano, quantidade superior ao consumo atual da propriedade, a estimativa é de que o sistema se pagará em cinco anos.

A sustentabilidade é a marca da propriedade, dedicada à criação de gado de leite. O biodigestor, de modelo indiano, garante a produção de biogás, a partir do processamento dos dejetos sólidos do rebanho. O combustível é suficiente para as atividades domésticas da família de cinco pessoas, como o aquecimento da água do chuveiro e do fogão da cozinha.

O produtor Aílton Moreira Dias ficou animado também com os resultados do aproveitamento dos resíduos da pecuária leiteira para a fertilização do canavial, pelo método da fertirrigação. “O líquido que saía da limpeza da sala de ordenha antes eram jogados em um córrego aqui perto. Com a ajuda da Emater-MG, construímos a esterqueira”, afirma Dias. Assim, os dejetos da sala de ordenha, depois de estabilizados na esterqueira, transformam-se em fertilizante para a produção de cana-de-açúcar, que é utilizada na alimentação do gado, no período da seca.

O biodigestor e a microusina de energia solar proporcionam uma economia anual de quase R$ 6 mil, além de reduzir o impacto ambiental da pecuária. A sustentabilidade energética da propriedade tem atraído o interesse de outros produtores de Guanhães, que participam de demonstrações e visitas técnicas promovidas pela equipe da Emater–MG. Com informações da Assessoria de Comunicação da Emater-MG

PUBLICIDADE
[wp_bannerize_pro id="valenoticias"]
Don`t copy text!