Empreendedores avaliam mercado e se reinventam para sobreviver à crise

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

O avanço da pandemia do novo coronavírus no país tem obrigado os empresários a repensar o modelo de negócio e inovar na maneira de chegar até os clientes. Essa realidade não é diferente para aqueles que abriram seus negócios recentemente e também foram surpreendidos com a crise. Além dos desafios diários, comuns a todo novo negócio, esses empresários têm que ter atenção redobrada na gestão da sua micro e pequena empresa.

De acordo com o gerente de Relacionamento com o Cliente do Sebrae, Enio Pinto, é preciso que os novos empreendedores se adaptem rapidamente ao novo cenário. “Com a mudança de comportamento do consumidor na crise, muitos empresários vão ter que repensar como seu produto pode resolver o problema do cliente”, explicou.

Em Luziânia, município goiano localizado a 60 Km de Brasília, o microempreendedor individual Antônio Chaves busca alternativas para manter o negócio de venda e revenda de motos e peças. Depois de duas semanas com a loja fechada por determinação do governo, ele passou a alugar as motocicletas para comerciantes que começaram a realizar entregas na região. “Meu vizinho que vende bolo resolveu alugar uma moto para fazer entregas e eu percebi uma oportunidade de oferecer o serviço. Cobro pela diária e aos finais de semana, consigo alugar todas as motos”, contou. Na semana passada, ele voltou a reabrir a loja, após liberação do estado, e agora avalia as medidas anunciadas pelo Governo para manter o negócio. “Vou prorrogar o pagamento do Simples e tentar renegociar com o banco as parcelas de um carro”, afirmou.

A consultora de estilo Joice Rossi, que atende na capital paulista e na região do ABC, precisou repensar maneiras de atender os clientes depois de decretadas medidas para a prevenção do contágio da doença, com o distanciamento social e o fechamento de lojas. Há um ano, ela largou o cargo de gerente numa multinacional para se dedicar exclusivamente ao universo da moda, que sempre foi uma grande paixão. Como microempreendedora individual, ela fez o Empretec no final do ano passado para ganhar mais confiança como empresária, mas agora enfrenta dificuldades para fazer os atendimentos presenciais com os clientes que já tinham contratado o serviço.

“Parte dos clientes mais novos aceitou um atendimento online nesse momento para depois continuar para outras fases da consultoria de forma presencial, mas alguns preferiram pausar o serviço”, contou. Com a ajuda da internet, ela adaptou a consultoria para o ambiente online com encontros virtuais e com lojas parceiras oferece o serviço da “malinha” com peças de roupas selecionadas para os clientes. Diante do imenso desafio, também criou pacotes de serviços online para novos clientes e pretende disponibilizar o novo serviço nos próximos dias.

Na região de São Bernardo, na Grande São Paulo, a empresária Mônica Pileggi comanda, com ajuda da mãe, a loja Quiosque Flores desde o início de 2019. Mesmo com o fechamento do comércio no estado, ela continuou recebendo pedidos dos clientes via Whatsapp e resolveu que, mesmo com a queda no faturamento, iria manter o negócio funcionando. Para isso, investiu em anúncios pagos no site de busca Google, criou um site para divulgar o negócio e faz postagens nas redes sociais, principalmente no Instagram. Para receber os pagamentos, envia links diretos da cobrança pelo aplicativo de mensagens.

“Percebi que na região não existem muitas floriculturas e como ainda há demanda, decidi manter a loja aberta com horário reduzido e os serviços de entrega e retire na loja”, explicou. Mesmo com queda drástica no faturamento, a empresária está com boas expectativas para o Dias das Mães, no próximo mês, quando a floricultura registra grande número de vendas.

Equilíbrio nos negócios
O Sebrae recomenda que os donos de pequenos negócios avaliem cuidadosamente a gestão da empresa neste momento de crise e adotem medidas para manter o equilíbrio do fluxo de caixa, ajustes de custos e busquem renegociar com os credores. Além disso, para aquelas micro e pequenas empresas que continuam o atendimento, uma dica importante é proteger a saúde da equipe, com as medidas de prevenção da doença, uso de máscaras, luvas e álcool em gel. Outra recomendação é buscar novos canais de venda e não perder o contato com o cliente, pois muitas vezes, a necessidade de consumo pelo seu produto ou serviço permanece, sendo fundamental enxergar novas formas para chegar até o consumidor. O Sebrae disponibiliza um site exclusivo de apoio aos pequenos negócios no enfrentamento da pandemia do coronavírus. Para conhecer acesse AQUI. Com Agência Sebrae de Notícias

PUBLICIDADE
Don`t copy text!