OMS defende adoção de cinco metas no Dia Mundial da Segurança do Paciente

O Dia Mundial da Segurança do Paciente é marcado nesta sexta-feira, 17 de setembro, com a Organização Mundial da Saúde fazendo um apelo à garantia da segurança na hora do parto.

Segundo a agência da ONU, todos os dias, cerca de 800 mulheres e 6,7 mil bebês morrem durante o parto ou logo após o nascimento. Além disso, o número diário de natimortos chega a 5,4 mil, sendo que 40% dessas mortes ocorrem devido a problemas na hora de nascer.

Intervenções desnecessárias
A OMS explica que essas situações acontecem devido a diagnósticos incorretos ou que chegam tarde demais; erros médicos; erros cirúrgicos ou ligados à anestesia; transfusões inseguras; falta de práticas de controle de infecções; intervenções desnecessárias ou maus tratos.

A segurança materna e neonatal é o tema do dia mundial este ano. A OMS está pedindo a líderes de hospitais e a trabalhadores de saúde de todo o mundo para adotarem um conjunto de cinco metas:

– Partos seguros e com respeito

– Reduzir práticas desnecessárias e prejudiciais às mulheres e bebês durante o parto;

– Reforçar a capacidade e o apoio aos trabalhadores de saúde para cuidados seguros às mães e recém-nascidos;

– Melhorar o uso seguro de medicamentos e de transfusões de sangue durante o nascimento;

– Reportar e analisar os incidentes que acontecem durante o parto.

Cor laranja
Para marcar o Dia Mundial da Segurança do Paciente, a OMS sugere que monumentos, pontos históricos e outros locais públicos sejam iluminados de laranja neste 17 de setembro.

A OMS explica que as Cinco Metas do Dia Mundial da Segurança do Paciente buscam também acelerar as ações para os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, ODSs.

Faz parte da Agenda 2030 reduzir a mortalidade materna e acabar com mortes de recém-nascidos que poderiam ser evitadas. Com informações da ONU News

PUBLICIDADE
[wp_bannerize_pro id="valenoticias"]
Don`t copy text!