Violência provoca danos em 40% das instalações hospitalares no noroeste da Nigéria

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

Pelo menos 10,6 milhões de pessoas precisam de assistência humanitária urgente nos estados nigerianos de Borno, Adamawa e Yobe no noroeste. O alerta é do Escritório da ONU para a Coordenação dos Assuntos Humanitários, Ocha.

Em comunicado, o escritório descreve a situação do país mais populoso da África como uma das maiores crises no mundo. A situação piorou com a eclosão, no ano passado, de ataques violentos nos três estados onde atua o grupo terrorista Boko Haram.

Covid-19
O Ocha alerta que a pandemia da pandemia da Covid-19 pode causar estragos nas populações mais vulneráveis.

O número de necessitados é o mais alto desde que iniciou a resposta humanitária coordenada há cinco anos. A Covid-19 aumentou ainda mais o número de necessitados, que evoluiu de 7,1 milhões, em 2019, para 7,9 milhões no início deste ano.

O Ocha estima que 7,8 milhões de nigerianos enfrentem necessidade extrema e precisem de assistência imediata. Um apelo da ONU e vários parceiros pretende mobilizar mais de US$ 1 bilhão para ações de auxílio.

A comunidade humanitária diz temer que a Covid-19 se espalhe em acampamentos ou no seio das comunidades anfitriãs afetadas pela crise e agrave a vulnerabilidade das populações já fragilizadas. Entre elas estão mulheres, crianças, idosos e pessoas vivendo com doenças crônicas.

Resiliência
O apelo do pessoal humanitário no terreno é que os parceiros aumentem seus esforços e diminuam os efeitos da crise à longo prazo. Esta situação pode prejudicar as conquistas e progressos de recuperação, resiliência e estabilização para atingir os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável.

Segundo a Ocha, a onda de violência no noroeste da Nigéria deixou mais de 40% das instalações hospitalares danificadas ou destruídas. Nas regiões de Bay, que integra os três estados vivem cerca de 1,9 milhão de desalojados.

Mais de 24 mil pessoas dormem ao relento e nos acampamentos e 80% vivem em condições de superlotação.

Com os abrigos temporários próximos um do outro, é impossível observar o distanciamento físico para prevenir a propagação da Covid-19.

Desafios
A pandemia já afeta a educação das crianças e ameaça chegar a comunidades distantes e sem serviços básicos, podendo complicar os desafios de acesso da ajuda aos mais necessitados.

Dados oficiais dão conta que 80% dos que precisam de assistência humanitária na região de Bay são mulheres e crianças. Pelo menos 60 mil pessoas tiveram que abandonar suas casas no primeiro semestre do ano devido a violência.

Autoridades e comunidades locais também recebem o apoio do Ocha para a preparação da reabertura das escolas. O escritório defende ações coordenadas e apoio financeiro para garantir inclusão e segurança para alunos e professores. Com ONU News

PUBLICIDADE
Don`t copy text!