Fiscais da Receita Estadual e PRF flagram mercadorias e veículos irregulares

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

Operação conjunta da Receita Estadual e Polícia Rodoviária Federal (PRF) flagrou, ontem (16), diversas irregularidades em veículos e mercadorias desacobertadas de documentação fiscal. A fiscalização se concentrou no posto da PRF localizado na BR-040, em Sete Lagoas, na região Central do estado, e deu continuidade à ação que havia sido realizada, no mesmo local, na terça-feira (14).

Nas duas ações, foram feitas 140 abordagens. Dentre os produtos sem a devida documentação havia suprimentos militares – como coletes, algemas e boinas destinados a empresa de segurança -, bicicletas e peças, água mineral, pneus, salgadinhos, baterias automotivas, embutidos, caixas d’água, panelas, gás de cozinha, roupas de cama e carnes. Os proprietários das cargas foram autuados pelos auditores fiscais, tendo os produtos liberados posteriormente.

Já a PRF identificou irregularidades como veículos com documentação desatualizada, insulfilm irregular, pneus desgastados, dentre outros problemas. Uma carreta com placa clonada e chassi adulterado foi encaminhada à Polícia Civil, para investigação.

Essas fiscalizações fazem parte da operação “Cinturão”, que tem caráter permanente e foi iniciada pela Receita Estadual no dia 29 de março, com objetivo de combater a sonegação fiscal de mercadoras em trânsito. Na semana passada, as ações ocorreram no posto da PRF em Betim, na BR-381.

Esta fase da operação “Cinturão” envolveu as delegacias fiscais da Superintendência Regional da Fazenda (SRF) de Contagem, contando com auditores fiscais em campo, nas unidades volantes espalhadas pelas rodovias e na retaguarda.

O delegado fiscal de Sete Lagoas, Gustavo Vieira, afirma que, além de flagrar as irregularidades, esse tipo de ação reforça a presença da fiscalização e inibe a prática da sonegação. “Além disso, as mercadoras apreendidas no momento da operação, em função da falta de documentação fiscal, nos levam até as empresas sonegadoras”, diz Vieira. Com Agência Minas

Don`t copy text!