Em covas rasas, mortos do Compaj ocupam quadra nos fundos do Cemitério de Tarumã

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

Marcelo Camargo/Agência Brasil

Quinze dias após a chacina que matou 56 presos do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), parte dos corpos dos detentos mortos durante a rebelião está enterrada em uma quadra nos fundos do Cemitério de Tarumã, em Manaus, em covas rasa e túmulos simples.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

É na quadra 34, fila 27, que está Gezildo Nunes da Silva. A sepultura número 1334 guarda o corpo do rapaz que, dias antes da chacina, denunciou um esquema de corrupção dentro da unidade, em que o diretor recebia propina de detentos para liberar a entrada de diversos objetos no Compaj, incluindo armas e celulares. Preso por furto, Gezildo foi assassinado aos 35 anos. Ele denunciou o esquema junto com outro detento, Alciney Gomes da Silveira, que também morreu na chacina.

A denúncia motivou a saída do diretor interino do Compaj, dias após a rebelião. Na denúncia de Gezildo e Alciney, ambos se diziam ameaçados de morte. A carta foi anexada ao processo de Gezildo no dia 14 de dezembro, para conhecimento do juiz Luis Carlos Valois, titular da Vara de Execuções Penais.

“Eu soube depois do fato [chacina]. A carta estava com vista para o Ministério Público. Mas é muito comum o preso dizer que está com risco de vida e a gente, na burocracia do dia a dia, não toma muito conhecimento disso. Porque todo preso diz isso. E é verdade. Qual preso que está seguro no sistema penitenciário brasileiro?”, questiona o juiz.

Gezildo está enterrado em uma cova rasa, em um túmulo improvisado, cercado por tábuas azuis e uma cruz espetada com seu nome, data de nascimento e data de morte, dia 1º de janeiro de 2017, escritos com tinta preta. Esta última data, inclusive, é repetida à exaustão nos túmulos vizinhos. São os outros mortos na chacina do Compaj.

“Toda hora eles estão com medo de morrer. E se a gente vai acatar a transferência deles toda vez que disserem que estão ameaçados, eles é que vão escolher onde vão ficar presos”, diz o juiz.

Presos por vários tipos de crimes, desde os menos ofensivos aos mais atrozes, as dezenas de corpos estão enterradas em uma espécie de extensão improvisada do cemitério, nos fundos, perto da mata fechada que cerca a região. A terra ainda está revirada na quadra 34, pelo intenso número de enterros recentes. Nessa quadra não há grama ao redor ou fotos dos sepultados. São túmulos simples. Alguns mais adornados que outros por flores e pequenas faixas, como “amor eterno”, deixadas pelas famílias. O forte cheiro de flores, presente no restante do cemitério, é pouco notado na área, ocupada em sua maioria pelas vítimas da chacina. Com Agência Brasil

PUBLICIDADE
Don`t copy text!