CBF apresenta relatório sobre papel do futebol na economia do Brasil

Em sua cerimônia de posse, em abril de 2019, o presidente da CBF Rogério Caboclo declarou que um dos pontos focais de sua administração seria aumentar o patamar do futebol na economia brasileira, diversificando e otimizando fontes de receitas, e apoiando a adoção integral da gestão profissional nos clubes e federações. Na manhã desta sexta-feira (13), a CBF deu um passo importante para a escalada do futebol no PIB nacional. Em parceria com a consultoria EY, a entidade apresentou o relatório intitulado “O Impacto do Futebol Brasileiro”, documento detalhado sobre a cadeia produtiva do futebol na economia nacional.

O relatório procurou entender o futebol brasileiro como indústria, identificar onde esse setor se encontra no cenário econômico, mapear esportiva e economicamente a cadeia produtiva do futebol e avaliar a sua evolução ao longo dos anos. O estudo dissecou a estrutura do futebol no Brasil e detectou mais de 250 interações entre pilares da indústria da bola, que revelam por onde passam os recursos financeiros.

– Apresentamos um estudo muito profundo, delicado e com resultados significativos. Um diagnóstico completo do nosso futebol na economia do país. Nosso objetivo é entregar esse relatório ao Governo Federal e mostrar a relevância do futebol como negócio e não só como lazer. É um setor produtivo que afeta diretamente nossa economia – afirmou Walter Feldman, Secretário Geral da CBF.

Representando o Ministério da Economia, o assessor especial Caio Megale elogiou a produção do relatório e reforçou a importância dele para o Governo Federal.

– A economia do esporte é muito importante, o futebol, principalmente, por ser o mais popular do país. Um estudo como esse aumenta o grau de formalização das informações que nós temos sobre o setor esportivo e nos ajuda a tomar medidas e a gerar políticas econômicas que beneficiem a economia como um todo e a esse setor em particular – comentou.

Para coletar as informações, a EY utilizou a mesma metodologia adotada em estudos feitos para a Premier League, por exemplo. O relatório concluiu que o futebol brasileiro, em toda sua cadeia, direta e indiretamente, representa 0,72% do PIB nacional, o que representa um valor total de R$52,9 bilhões.

Além do pilar financeiro, a pesquisa também detalha os pilares esportivos (competições, clubes, atletas e estádios) e as perspectivas quanto ao futuro.

– Queremos, no fim das contas, ajudar os clubes a tornarem-se cada vez mais profissionais. Não há mais espaço para amadorismo – pontuou Gustavo Hazan, gerente da área esportiva da EY. Com site da CBF

PUBLICIDADE
[wp_bannerize_pro id="valenoticias"]
Don`t copy text!