OMS apoia países das Américas na implementação de telemedicina durante pandemia

Desde o início da pandemia e o confinamento social, muitos consultórios passaram a atender a distância por meio de um serviço de telemedicina, no qual o paciente conversa com os médicos em chamada de vídeo.

Na América Latina e no Caribe, um novo serviço foi desenvolvido pela Opas em cooperação com o Banco Interamericano de Desenvolvimento, agências, especialistas das Américas e da Espanha.

Importância
Com a pandemia, a telemedicina ajudou a minimizar o risco de transmissão do novo coronavírus.

Em comunicado, o diretor do Departamento de Evidência e Inteligência para Ação em Saúde da Opas, Sebastián García Saiso, disse que a telemedicina também leva o atendimento a locais remotos e sem cobertura de saúde.

Segundo ele, “é uma forma segura e eficaz de avaliar casos suspeitos de Covid-19 e outras doenças” até que os serviços sejam retomados.

Garcia Saiso afirma que “medir as capacidades internas é o primeiro passo para começar a implementar serviços de telemedicina e a ferramenta desenvolvida pode ser um guia para avançar nesse caminho.”

Funcionamento
A nova plataforma caracteriza de um a quatro o nível de preparo das instituições.

O nível um é quando não há iniciativa de telemedicina e o nível quatro é quando tudo está pronto para operar em plena capacidade. Entre esses extremos estão os níveis dois, quando há progresso, mas a instituição ainda está longe de conseguir implementar os serviços, e o três, quando existe um bom progresso e alguns serviços já podem começar.

Além disso, a ferramenta facilita a identificação de potenciais lacunas ou áreas que requerem atenção e apoio técnico de especialistas. Também apresenta uma oportunidade para as instituições que desejam se autoavaliar redefinir suas prioridades.

O instrumento consiste em uma série de questões organizadas em seis categorias: preparação organizacional, processos, ambiente digital, recursos humanos, aspectos regulatórios e conhecimento especializado.

Muitos países da região e do mundo já têm iniciativas de telemedicina, mas a pandemia acelerou a necessidade

Os resultados são depois analisados por equipes multidisciplinares de especialistas, que definem os passos a seguir.

Pandemia
Muitos países da região e do mundo já têm iniciativas de telemedicina, mas a pandemia acelerou a necessidade de implementação de serviços virtuais em maior alcance.

Segundo a Opas, isso criou um problema, porque os países nem sempre possuem as leis e a infraestrutura necessárias. É por isso que a ferramenta é fundamental para tornar os processos eficientes, seguros e focados no paciente.

A ferramenta já está sendo utilizada em processos de acreditação em alguns países da região e faz parte do apoio às operações de resposta à pandemia em saúde digital da Opas e do BID. Com ONU News

PUBLICIDADE
[wp_bannerize_pro id="valenoticias"]
Don`t copy text!