Governo federal libera R$ 200 milhões para pagar servidores em Roraima

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

O presidente Michel Temer definiu ontem (11), durante reunião com o governador eleito de Roraima e interventor no estado, Antonio Denarium (PSL), a liberação de cerca de R$ 200 milhões. O dinheiro será usado para pagamento dos salários dos servidores, atrasados desde outubro. A intervenção federal em Roraima vai até o dia 31. Para o governador eleito, o estado vive um caos econômico e social.

“Negociamos e acertamos valores a serem repassados para o governo do estado de Roraima para acabar com o caos social que estamos vivendo hoje”, disse Denarium. Segundo o interventor, até segunda (10), havia greve em todos os setores. “Esse valor será para a folha de pagamento dos servidores”.

Em Brasília, ontem (11), Denarium pretende ainda se reunir com o ministro do Planejamento, Esteves Colnago, para fechar os detalhes do repasse de recursos, e também com o ex-juiz Sergio Moro, que assumirá o Ministério da Justiça.

Urgência
Denarium pediu ajuda do governo federal para outros setores, como saúde e educação. No total, segundo ele, seria necessário liberar R$ 500 milhões.

“Solicitamos que esse valor fosse ampliado pelo governo federal para que a gente possa quitar as dívidas e as contas mais emergentes, como merenda escolar, transporte escolar e medicamentos”, disse Denarium.

Conforme Denarium, Roraima tem uma dívida corrente em atraso de cerca de R$ 2 bilhões. “Em que pese toda a justeza do que pede o nosso interventor, nós temos impedimentos orçamentários [para liberar um valor maior]”, disse o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, que participou da reunião, no Palácio do Planalto, com Temer e Denarium.

Orçamento
Segundo Padilha, o Orçamento da União está fechado, e o governo tem pouca margem de manobra. “Temos alguma possibilidade, em valores próximos a R$ 200 milhões, que daria para cobrir as folhas dos servidores. A preocupação do presidente é sanar a questão dos servidores. Isso será possível com esse valor que ainda pode ser remanejado”, afirmou.

Ainda hoje o Ministério do Planejamento vai fechar o valor exato. O presidente deve mandar uma medida provisória remanejando os recursos. “Não haverá repasse para o estado e sim uma ação direta do governo federal, que executa a sua intervenção”, afirmou Padilha. Com Agência Brasil

Don`t copy text!