Homem é preso após simular o próprio sequestro para extorquir família em Carmo do Cajuru

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp


O falso sequestro mobilizou os agentes da Polícia Civil que atuam no município de Carmo do Cajuru, região Centro-Oeste de Minas Gerais, na terça-feira, 11 de setembro, quando o caso foi desvendado pelos militares e o indivíduo de 21 anos preso.

Ele é suspeito de simular o próprio sequestro para extorquir dinheiro de seus familiares. Policiais civis disseram que o envolvido conduzido o processo de extorsão por meio de uma mensagem enviada a um amigo e aos familiares na segunda-feira (10).

Na mensagem, ele afirmava que havia sido assaltado por um grupo de cinco homens no Bairro Vitória e que estava no porta-malas do seu próprio carro.

A partir daí a família passou a acompanhar o caso durante toda a madrugada de terça (11), mantendo contato com o suspeito de 21 anos. A Polícia Civil foi acionada na manhã de terça (11), quando os parentes começaram a receber ligações de uma linha telefônica diferente, que seria a dos falsos sequestradores.

A todo instante o suspeito se passava por um dos sequestradores para extorquir os familiares. Nas comunicações, o falso criminoso ameaçava matar o jovem e colocar fogo no corpo da “vítima”.

Com a evolução das investigações, a equipe de policiais civis apurou que o investigado, que se passava por vítima, e também estava com dívidas que somavam aproximadamente R$ 8 mil.

Os agentes da Polícia Civil constataram ainda que o chip usado pelo sequestrador, na verdade, era da propriedade do “sequestrado”, embora a família e sua namorada desconhecessem o fato.

No fim da tarde de terça (11), a Polícia Civil fez rastreamento e localizaram o veículo, os aparelhos celulares usados e o suspeito, que foi preso em flagrante pela prática dos crimes de extorsão e de denunciação caluniosa. A pena pode chegar a 18 anos de reclusão.

As investigações foram comandadas pelo delegado Weslley Amaral de Castro. Segundo ele, o suspeito confessou que realizou a extorsão, pois estava devendo valores muito altos a bancos e a uma pessoa envolvida com o tráfico de drogas.

Conforme a Polícia Civil, os trabalhos prosseguiram para apurar a eventual participação de alguma outra pessoa. Contudo, não se alcançou nenhum avanço.

Portal GRNEWS © Todos os direitos reservados.

PUBLICIDADE
Don`t copy text!