Técnicos reforçam cuidados com praga na cafeicultura mineira

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

A Leucoptera coffeella, conhecida popularmente como bicho-mineiro, está entre as três principais pragas do cafeeiro no Brasil. Identificado no país desde 1860, o inseto da ordem Lepideptera, que não pode ser erradicado, é alvo de estudos da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig). Uma das linhas é o desenvolvimento de alternativas que vão desde o monitoramento até o controle químico e biológico.

Na cafeicultura de clima quente, como a do Cerrado, o bicho-mineiro é considerado a principal praga, sendo o controle difícil e de alto custo. Como não há um cultivar resistente à praga, é evidente a importância do controle anual para se evitar grandes prejuízos.

O bicho-mineiro sofre metamorfose completa, passando pelas fases de ovo, lagarta, crisálida e adulta. Os danos são causados pelas lagartas, responsáveis por minar as folhas do cafeeiro. O resultado é a queda total, o que prejudica a planta principalmente durante as floradas.

Durante o período chuvoso, a infestação do bicho-mineiro é considerada baixa, ao contrário do período seco, quando evolui de forma perigosa, principalmente entre os meses de março/abril a setembro. “Confirmamos essa informação com a infestação do bicho-mineiro no período chuvoso de 2019/2020, na cafeicultura de Monte Carmelo, no Cerrado mineiro. Lá as infestações seguem baixas até agora, no início do mês de abril, resultado das intensas chuvas. Porém, a partir do início do período seco, a expectativa é evoluir”, explica o entomologista e pesquisador da Epamig, Júlio César de Souza.

Controle
O pesquisador explica que o principal método de controle do bicho-mineiro é o químico. Nele, são utilizados grupos químicos registrados para a cultura. É importante que se tenha cuidado com as doses utilizadas, assim como às misturas de ingredientes ativos ou mesmo com a não rotação destes grupos, que podem causar tanto a morte de inimigos naturais quanto o aumento de resistência do inseto.

A Epamig, empresa vinculada a Secretaria de Estado Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), desenvolveu uma cartilha para auxiliar no controle do bicho-mineiro. Para conferir, clique aqui. Com Agência Minas

PUBLICIDADE
Don`t copy text!