Presos na Operação Fatura Exposta são levados para presídio de Bangu

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

Os três presos na Operação Fatura Exposta, deflagrada nesta terça (11), pela Polícia Federal (PF), foram levados para o Complexo Prisional de Gericinó, em Bangu, onde cumprirão prisão preventiva, determinada pela Justiça Federal.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

O ex-secretário de Saúde Sérgio Côrtes e os empresários Miguel Iskin e Gustavo Estellita saíram às 15h10 da Superintendência da Polícia Federal, na região portuária, e seguiram para o Instituto Médico-Legal (IML), onde permaneceram por cerca de 15 minutos. Saíram em duas viaturas da PF, rumo à unidade prisional em Benfica, onde passaram por uma triagem para determinar em qual unidade de Bangu irão ficar, de acordo com o grau de escolaridade.

Eles foram presos nas primeiras horas desta manhã, em suas residências, acusados de corrupção na venda de insumos e materiais para o Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into), na época em que Côrtes dirigia a entidade. Segundo a PF, o esquema, que envolvia superfaturamento, sonegação de impostos e pagamentos de propinas, continuou quando Côrtes assumiu a Secretaria Estadual de Saúde, durante o governo de Sérgio Cabral.

De acordo com o Ministério Público Federal (MPF), Côrtes receberia 2% de contratos firmados para aquisição de equipamentos e próteses. O ex-governador ficaria com mais 5%, que renderam a Cabral ao menos R$ 16,4 milhões no período investigado. O percentual que era desviado chegava a 10% dos contratos, com recursos destinados também a operadores do esquema, servidores públicos e ao Tribunal de Contas do Estado.

Os pagamentos eram depositados em uma conta no exterior, pertencente ao empresário Miguel Iskin. A investigação rastreou que, recentemente, Iskin tentou repatriar R$ 70 milhões. Ele é o dono de empresas fornecedoras de equipamentos e próteses ao estado do Rio e ao Into e também é suspeito de comandar um cartel internacional para assumir contratos abertos em pregões eletrônicos.

De acordo com a investigação, por meio dos pregões, a quadrilha chegava a arrecadar 40% dos contratos internacionais, acrescentando nos custos o valor de tributos que não precisavam ser pagos na importação. Com Agência Brasil

PUBLICIDADE
Don`t copy text!