Polícia Civil de MG mira grupo criminoso envolvido em lavagem de dinheiro

Cerca de 100 policiais civis participaram da operação Washing, realizada nesta quinta-feira (11), para cumprimento de mandados de prisão e de busca e apreensão na capital e nas cidades mineiras de Santa Luzia, Coronel Fabriciano, Vespasiano, Contagem, Sete Lagoas e Ponte Nova. Em razão de investigações conduzidas pela Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) sobre o crime de lavagem de dinheiro, a Justiça determinou ainda o bloqueio de R$ 393 milhões, além do sequestro de veículos e imóveis de uma organização criminosa. Durante a ação policial, 13 pessoas foram presas.

Conforme apontam as investigações, o grupo criminoso, comandado por duas pessoas, ocultava a movimentação do dinheiro ilícito em contas abertas por meio de empresas fictícias, cadastradas em nome de laranjas. As empresas recebiam o dinheiro, em contas distintas, de forma a simular a origem lícita dos valores. A polícia acredita que essas empresas tenham movimentado R$ 761 milhões, dinheiro que seria utilizado para fomentar e financiar o tráfico de drogas em todo o país.

“Essa investigação iniciou na cidade de Ponte Nova, quando no ano passado, em uma ação conjunta entre Polícia Civil, Ministério Público e Polícia Militar, foi realizada a operação Aves de Rapina, que prendeu mais de 30 pessoas por tráfico de drogas. O resultado dessa operação é que foram identificados, com as pessoas presas, vários depósitos bancários em nome de empresas sediadas em Belo Horizonte e em outros estados”, explica o delegado Silvério Rocha.

A partir dessa informação, o Ministério Público requisitou investigação para apurar o possível crime de lavagem de dinheiro, sendo identificado esse núcleo, sediado em Minas Gerais. De acordo com Rocha, embora independente, o grupo mantinha relação com outras duas organizações, uma em Mato Grosso e outra na região Nordeste do país. Nesse período, duas operações já foram deflagradas, uma pela Polícia Federal no Mato Grosso (com bloqueio de aproximadamente R$ 37 milhões), e a segunda pela Polícia Civil de Pernambuco (com prisões inclusive em Minas Gerais e apoio da polícia mineira).

O nome da operação em inglês está relacionado ao fato de a expressão ‘lavagem de dinheiro’ ter se originado nos Estados Unidos, na década de 20. As investigações prosseguem. Com informações da PCMG

Portal GRNEWS © Todos os direitos reservados.

PUBLICIDADE
[wp_bannerize_pro id="valenoticias"]
Don`t copy text!