Bombeiros de Minas Gerais terão EPI para combate a incêndio

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

Com recursos que o Cel. BM Edgard Estevo da Silva, comandante-geral do Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais (CBMMG), chamou de “alternativos”, a corporação vai conseguir entregar um conjunto de Equipamentos de Proteção Individual (EPI) para combate a incêndio para cada servidor que exerça essa atividade até o fim deste ano. Será, segundo ele, a primeira vez que se consegue essa abrangência pelo menos nos últimos 30 anos.

A informação foi prestada pelo comandante-geral em audiência pública da Comissão de Segurança Pública da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) na última terça-feira (9). A reunião foi marcada para que a corporação prestasse contas das suas atividades e investimentos no primeiro quadrimestre de 2019. Na ocasião, o Cel. BM Edgard Estevo da Silva apresentou dados sobre efetivo, viaturas, equipamentos e cobertura do atendimento do Corpo de Bombeiros.

De acordo como o convidado, o Corpo de Bombeiros chegava a 58 municípios mineiros em 2014 e hoje está em 73, um crescimento de 24%. O objetivo, segundo ele, é chegar a 130 municípios até 2026. As cidades são selecionadas, como ele explicou, a partir de mais de dez critérios, o principal deles o número de habitantes: todos aqueles com mais de 30 mil moradores contarão com um posto avançado da corporação.

O deputado Sargento Rodrigues (PTB) pediu atenção especial para a região Noroeste do Estado, onde os municípios são muito distantes uns dos outros e, talvez, seja necessário flexibilizar as regras, já que os municípios menores estão muito distantes daqueles que poderão ter postos.

O Cel Estevo da Silva disse que condições de risco – como indústrias, malha viária e verticalização urbana – são observadas e, assim, alguns municípios com menos de 30 mil habitantes receberão unidades, inclusive na região Noroeste.

Ainda para atender acidentes em locais mais distantes, a corporação conta, segundo o comandante-geral, com cinco aeronaves e mais uma será recebida este ano. Ele também apresentou todos os veículos disponíveis para o Corpo de Bombeiros e disse que 76% das 1.023 viaturas estão em pleno funcionamento, situação muito melhor do que há alguns anos, quando, segundo ele, apenas cerca de 40% estavam em condições de uso.

Para algumas dessas manutenções, de veículos e de quartéis, bem como para a aquisição de equipamentos, como os EPIs, a corporação tem contado com “recursos alternativos”, como definiu o Cel. BM Edgard Estevo da Silva. São verbas conseguidas, por exemplo, a partir de emendas parlamentares, Termos de Ajustamento de Conduta (TAC) mediados pelo Ministério Público (MP) ou convênios com municípios. As informações são da Assessoria de Imprensa da ALMG.

PUBLICIDADE
[wp_bannerize_pro id="valenoticias"]
Don`t copy text!