Operação Lavaggio apura em SP crime de lavagem de dinheiro decorrente de tráfico internacional de drogas

A Polícia Federal deflagrou hoje (10) a Operação Lavaggio, para apurar crimes de ocultação de bens e capitais obtidos com lucros provenientes de tráfico internacional de drogas, praticados a partir do Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas-SP.

A investigação teve início a partir da análise de documentos e informações de inteligência policial obtidos durante a Operação Overload. Seu objetivo é reunir provas e identificar e bloquear bens imóveis e dinheiro oriundos de ganhos ilícitos decorrentes dos crimes investigados naquela operação por um dos investigados.

Na data de hoje, estão sendo cumpridos 6 mandados de busca e apreensão e 7 ordens judiciais de bloqueio de imóveis (Campinas e Monte Mor), cujo valor aproximado pode chegar a mais 3 milhões de reais.

Durante as investigações da Operação Overload, constatou-se que referido investigado fez parte do núcleo de operadores do tráfico internacional externo ao Aeroporto Internacional de Viracopos, sendo um dos responsáveis pela organização do empreendimento criminoso e tratativas com investidores e traficantes estrangeiros situados no continente europeu, bem como pela cooptação de empregados internos ao sítio aeroportuário.

Já, durante as apurações da Operação Lavaggio, a Polícia Federal identificou, ao menos, 20 atos de lavagem relacionadas ao investigado, contabilizando alienações de veículos e compras de imóveis (apartamentos, casas, chácaras), o que foi feito envolvendo familiares do investigado cujas rendas são incompatíveis com as transações, além de terceiros e pessoas jurídicas.

Na Operação Overload, constatou-se que a movimentação de alguns investigados chegou a dez milhões de reais, tendo sido apreendidos naquela oportunidade veículos e dinheiro no valor aproximado de 3 milhões reais.

Os envolvidos responderão pelo crime de lavagem de dinheiro cuja pena pode chegar a 10 anos de prisão (Lei n. 9.613/1998).

Esta fase da operação faz parte do processo sistemático e contínuo adotado pela Polícia Federal de descapitalização de organizações criminosas voltadas ao tráfico de drogas, com o principal objetivo de evitar a retroalimentação das atividades ilícitas. Sete pessoas permanecem presas em decorrência da Operação Overload. Com informações da Assessoria de Comunicação Social da Polícia Federal em Campinas-SP.

Portal GRNEWS © Todos os direitos reservados.

PUBLICIDADE
[wp_bannerize_pro id="valenoticias"]
Don`t copy text!