Seleção Feminina reforça nova fase do BR Feminino com 10 atletas convocadas

Na Copa do Mundo Feminina 2019 eram 5 atletas que atuavam no Brasil. Na primeira Data Fifa de 2020 esse número dobrou, agora, são 10. O Campeonato Brasileiro Feminino tem ganhado o prestígio e as atenções das atletas brasileiras, que antes atuavam no exterior. Um dos motivos está na ponta da língua: a vontade de voltar a atuar “em casa”.

Com mais investimento, o Brasileiro Feminino A-1 vive a melhor fase de sua história com grandes equipes, transmissão de todos os jogos, e profissionalização das atletas. Entre as jogadoras que estão na Seleção Feminina para a disputa do Torneio Internacional, voltaram neste ano para o Brasil: a zagueira Tayla, a meia Andressinha e as atacantes Bia Zaneratto, Duda e Thaisinha. Completam a lista a goleira Bárbara, as defensoras Bruna Benites e Tamires, a meia Aline Milene e centroavante Cristiane, que já estavam no país.

– A volta de outras atletas também influenciou na minha escolha, na questão da visibilidade também nos deixa mais feliz. Temos que reforçar que o Campeonato Brasileiro ficou mais atrativo e também mais competitivo – destaca Tayla.

O discurso é reforçado pela companheira de Seleção, a meia Andressinha. Após cinco temporadas nos Estados Unidos, ela voltou para o Brasil como grande reforço do Corinthians para o ano.

– O Campeonato Brasileiro está mais forte esse ano, mais competitivo, isso é bom para o futebol feminino do Brasil. Isso acaba atraindo as meninas que estão jogando fora, elas têm mais vontade de jogar no nosso país por estarem assistindo um campeonato mais competitivo. Isso reflete na Seleção também, a Pia consegue com mais facilidade nos observar e ir aos jogos – diz Andressinha.

Para a treinadora da Seleção, Pia Sundhage, o momento do futebol feminino no Brasil é especial. A comandante destaca como a proximidade com as atletas e as comissões técnicas ajuda no seu trabalho de observação.

– As coisas estão acontecendo no Brasil, eu sinto isso. O Campeonato Brasileiro está se fortalecendo, com bons técnicos e uma estruturação. Espero que nos próximos anos possamos ver atletas de outros países também atuando no Brasil. Podemos mudar a atitude quando se fala de futebol feminino A evolução leva tempo, mas não muito. Podemos ver o exemplo da Inglaterra, que em seis anos fez uma liga muito competitiva. Nesse momento estou muito feliz com o cenário da Seleção, temos atletas no Brasil, na Europa e nos Estados Unidos, isso dá uma mistura de características, é bom – reforça Pia.

A Seleção Feminina volta a campo nesta terça-feira (10), para enfrentar o Canadá, na última rodada do Torneio Internacional da França. A bola rola às 15h (Horário de Brasília), no Stade de L’Epopée, em Calais. Com site da CBF

PUBLICIDADE
[wp_bannerize_pro id="valenoticias"]
Don`t copy text!