Máscaras sozinhas não bastam para proteger da Covid-19, diz OMS

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

A Organização Mundial da Saúde (OMS), anunciou uma atualização das orientações sobre o uso de máscaras para controle da Covid-19. Até esta sexta-feira (5), a doença já havia contaminado 6.515.796 pessoas e matado 387.298.

O diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus, disse que as máscaras, por si só, não protegem da doença, nem substituem práticas como distanciamento físico, higiene das mãos e outras medidas de saúde pública.

Pandemia
O chefe da agência afirma que o utensílio é parte de uma abordagem abrangente no combate à pandemia.

Nas novas orientações, a OMS aconselha o uso de máscaras cirúrgicas para todos os que trabalham em áreas clínicas de uma unidade de saúde, não apenas para funcionários que lidam com pacientes com Covid-19.

Em espaços com transmissão comunitária, a recomendação é que pessoas a partir de 60 anos, ou que tenham outras condições de saúde, usem uma máscara cirúrgica em situações em que o distanciamento físico não é possível.

A OMS também solicita aos governos que incentivem o público a usar máscaras “onde houver transmissão difusa e o distanciamento físico seja difícil”, como em transportes públicos, lojas ou ambientes de grande concentração.

Pesquisas
As orientações contêm novas informações sobre a composição das máscaras de tecido após terem sido realizadas pesquisas acadêmicas. A recomendação é que estas sejam feitas de pelo menos três camadas de material diferente. Os detalhes para cada camada estão nas diretrizes.

Temas como lavagem das mãos, manutenção das máscaras de tecido e seu uso com segurança também têm destaque porque “as pessoas podem potencialmente se infectar se usarem mãos contaminadas para ajustar uma máscara ou retirá-la e colocá-la repetidamente, sem limpar as mãos nesse processo”.

O chefe da OMS alertou ainda que as máscaras também podem criar uma falsa sensação de segurança, levando as pessoas a negligenciar medidas como a higienização das mãos e o distanciamento físico.

Suspeitos
Tedros lembrou que as pessoas com sintomas devem permanecer em casa e consultar um médico.

Em caso de confirmação, o paciente de Covid-19 deve ser isolado, receber cuidados em uma unidade de saúde e seus contatos colocados em quarentena. A OMS detalha ainda sobre a possível saída em caso de absoluta necessidade e o cuidado de um infectado em casa, onde se deve usar máscara cirúrgica.

A agência realçou que continua aconselhando aos profissionais de saúde que usem estes e outros equipamentos de proteção ao lidar com pacientes suspeitos ou confirmados de Covid-19. Com ONU News

PUBLICIDADE
Don`t copy text!