Para salvar vidas, banco de sangue de São Paulo precisa de 12 mil doadores por mês

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp


A Fundação Pró-Sangue de São Paulo, um dos cinco maiores bancos de sangue da América Latina, precisa de 12 mil doadores por mês para manter os estoques em níveis adequados. O volume, no entanto, dificilmente é alcançado – antes do início da greve dos caminhoneiros, o banco chegou a apenas 30% da sua capacidade.

Curta a página do Portal GRNEWS no Facebook Siga o Portal GRNEWS no twitter

A campanha Junho Vermelho quer atrair mais doadores, porque, de acordo com a assessoria de imprensa da fundação, níveis baixos como o registrado na semana passada são comuns, em especial, durante os dias frios.

Entre os tipos sanguíneos, o O+ encontra-se em nível crítico, em condições de abastecer os hospitais por um dia. Estão em estado de alerta os tipos A+, B- e O-, ou seja, em condições de abastecimento por dois dias. A Pró-Sangue é responsável pelo fornecimento para mais de 100 instituições de saúde da Grande São Paulo.

Monumentos iluminados
A campanha para estimular a doação regular de sangue terá diversos pontos no Brasil iluminados de vermelho. Em São Paulo, estão confirmadas a Fonte Elo, do Parque do Ibirapuera, a Assembleia Legislativa e a Câmara Municipal.

Em 2017, o movimento Eu Dou Sangue estimou aumento de 25% das doações em junho, na comparação com o mesmo período em 2016. Para consultar o ponto de doação mais próximo, em qualquer localidade do país, basta entrar no site.

Requisitos
Para ser doador, basta estar em boas condições de saúde, ter entre 16 e 69 anos e pesar no mínimo 50 kg. Além disso, é preciso estar descansado (ter dormido pelo menos 6 horas nas últimas 24 horas) e alimentado (evitar alimentação gordurosa nas 4 horas que antecedem à doação). É necessário apresentar documento original com foto recente.

As etapas da doação incluem um cadastro, um teste rápido de anemia, conferência do batimento cardíaco, pressão arterial, peso e temperatura. Depois, é feita uma entrevista confidencial para avaliar se a doação pode trazer riscos para o receptor.

A coleta de sangue é totalmente segura. São coletados 450 mililitros de sangue por pessoa e amostras para a realização de exames obrigatórios por lei. Após a doação, o doador recebe um lanche e suco. Com Agência Brasil

PUBLICIDADE