Tributo ao Abba volta a oito cidades brasileiras

GRNEWS nas Redes Sociais Facebook Twitter YouTubeWhatsApp WhatsApp

Intérprete de hits mundiais como “Dancing Queen”, “Mamma Mia”, “Chiquitita” e “The Winner Takes All”, a banda sueca Abba foi o principal nomes do pop mundial nos anos 1970 – desde então, vendeu mais de 400 milhões de cópias, apenas no formato físico. Em 1982, os integrantes Agnetha Fältskog, Benny Andersson, Björn Ulvaeus, Anni-Frid Lyngstad decidiram paralisar as atividades e desde então nunca mais se reuniram profissionalmente.

Ainda que o quarteto tenha ensaiado uma volta no ano passado, anunciada para 2019 (com o lançamento de duas novas canções) e posterior tour mundial, os shows que fazem tributo ao Abba continuam arrastando multidões de fãs onde são apresentados. E não apenas senhores e senhoras saudosistas daquela fase, mas também jovens e adolescentes. Afinal, além da história da banda e das dezenas de hits, o espetáculo teatral “Mamma Mia” (montado na Broadway e em teatros de vários países) e os dois filmes musicais que ele derivou renovaram o público da banda, cuja dance music descompromissada lidera playlists nos serviços de streaming e outras ferramentas online.

Um desses shows-tributo é o internacional “ABBA The Show”, já apresentado em 40 países, incluindo o Brasil, por onde passou algumas vezes. Em 2011, levou mais de 70 mil pessoas na Vale do Anhangabaú, em São Paulo. E, no Espaço das Américas, em 2018, não foi diferente! A banda realizou uma apresentação emocionante na casa, animando e colocando quase oito mil pessoas para dançar. E promete repetir a dose na tour 2019, que passará por oito cidades brasileiras – Ribeirão Preto no dia 19, São Paulo (Espaço das Américas) no dia 21, Porto Alegre (dia 25), Santos (26), Jundiaí (30), Curitiba (dia 2 de maio) e Rio de Janeiro (Ribalta Espaço Multieventos), dia 3.

A turnê deste ano vem com uma produção ainda mais épica, segundo os organizadores. O cast é formado por Camilla Dahlin, Katja Nord Mats Ronander, Janne Schaffer, Finn Sjöberg e Lasse Wellandere – além dos músicos Ulf Andersson e Roger Palm (que tocaram na época da formação original) e membros da Orquestra Sinfônica Nacional de Londres regida pelo maestro Matthew Freeman. No espetáculo, a plateia é levada “pra dentro” da história da banda, que começa em abril de 1970, quando os quatro se reuniram pela vez para cantar.

Ao longo de duas horas, os artistas mostrarão clássicos como “Waterloo”, “SOS”, “Mamma Mia”, “Dancing Queen”, “Money Money Money”, “Super Trouper”, “Take a Chance on Me” e “Knowing Me Knowing You”, entre outros. Com Portal Sucesso

PUBLICIDADE
Don`t copy text!